Como implementar o inbound marketing na marcenaria

De acordo com o consultor de marketing do Sebrae/PR, Luciano Renan da Silva, o inbound marketing tem como conceito atrair atenção e então fidelizar o cliente

Publicado em 5 de dezembro de 2018 | 8:00 |Por: Ricardo Heidegger

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Já imaginou atrair o cliente certo, da maneira certa sem que seja necessário investir grandes quantias para isso? E, ainda, se essa relação criada faça com que ele se torne um promotor de sua marcenaria? Com o avanço da tecnologia isso é possível, e as redes sociais se tornaram importantes canais para divulgação de marcas, produtos e serviços. O chamado inbound marketing na marcenaria, conhecido como o “direcionado para dentro”, se opõe ao tradicional.

“A diferença é que enquanto o tradicional pretende alcançar o cliente com mensagens que chegam onde ele estiver, seja por mídia impressa, rádio ou televisão, o inbound busca produzir conteúdo útil ao consumidor para que ele o encontre quando quiser resolver um problema ou atender a uma necessidade”, comenta o docente do curso de marketing, do Complexo Educacional FMU, Carlos Santiago.

De forma clara, no marketing tradicional (também chamado de outbound marketing) a ideia é ir atrás do cliente de forma ativa. Nele, comunica-se o negócio de forma desenfreada, sem conhecimento de qual melhor canal direcionar e ter maior assertividade para impactar o público potencial do negócio. A exemplo dos flyers, não se sabe se quem o receberá está, de fato, interessado no assunto.

Já no inbound marketing na marcenaria, o conceito é atrair atenção e então fidelizar o cliente, resume o consultor de marketing do Sebrae/PR, Luciano Renan da Silva. “Primeiro identifica-se quem é seu público, depois chamar sua atenção, para então despertar seu interesse e poder fidelizá-lo”, diz.

Divulgação FMU

Inbound marketing na marcenaria

Docente do curso de marketing do Complexo Educacional FMU, Carlos Santiago

São várias as formas de conteúdo direcionadas e exclusivas para o público específico. A intenção é atrair e isso se faz enviando materiais que tenham relação com o negócio e sejam interessantes para o cliente potencial. “O marceneiro, por exemplo, pode mandar por email um vídeo ou uma série contando como é o processo de fabricação ou montagem de um móvel. Ele não está necessariamente divulgando seu produto – de forma indireta sim – mas o objetivo principal é seduzir o cliente, fazendo-o sentir interesse pela profissão, maneira como a marcenaria trabalha e seu profissionalismo”, comenta Silva.

O consultor pontua que compartilhar estes assuntos de “bastidores” é curioso e quando esse cliente precisar do serviço ou alguém lhe perguntar de móveis, pela experiência boa que ele teve com a marca, mesmo que seja apenas conhecendo seu processo, ele vai lembrar e indicar.

“O grande mérito do inbound marketing na marcenaria é justamente o de não ser invasivo. Ele dá ao cliente a possibilidade de escolher se ele quer ou não receber o conteúdo”, pontua. Nisso o consultor do Sebrae/PR alerta que, se o cliente optar por não recebê-lo, deve-se respeitar. Do contrário, cria-se uma antipatia e efeito oposto ao propósito inicial. “Na tentativa de fazer inbound, incorre ao velho marketing tradicional e torna-se incômodo”, alerta.

Como aplicar o inbound marketing na marcenaria

O marceneiro pode adotar essa ferramenta, de acordo com Santiago, da FMU, desenvolvendo por meio de sites, blogs, newsletters informativos sobre tendências de móveis, aplicabilidades e outros, e direcioná-lo para formadores de opinião como arquitetos. “Quando falamos em resultados, o inbound marketing na marcenaria proporciona autoridade para marca que pode gerar conversões ou uma forte institucionalização da marcenaria”, relata.

Divulgação Sebrae/PR

Inbound marketing na marcenaria

Consultor de marketing do Sebrae/PR, Luciano Renan da Silva

O docente completa que, especificamente para marcenaria, o Facebook e Instagram são uma excelente estratégia por terem um apelo visual forte. E o consultor do Sebrae-PR concorda. Em princípio, o próprio marceneiro pode fazê-lo desde que “se dedique para isso”, frisa Silva.

O importante é a qualidade e relevância do conteúdo que irá compartilhar – deve-se ter cuidado com a linguagem e com o visual. Assim, Silva recomenda que antes de sair fazendo um monte de coisa, é importante trabalhar com cautela e de forma gradual.

No Instagram, o profissional pode compartilhar, por exemplo, o registro de uma construção de um móvel, aconselha o consultor. Mostrar desde o projeto no papel e contar, a cada postagem, como será a montagem desta peça.

“É um conteúdo interessante porque as pessoas não sabem – elas compram os móveis prontos e a grande maioria nunca viu o processo de produção. Isso tende a ser uma forma de gerar conteúdo relevante”, assinala.

Mas o consultor frisa que se deve valorizar a exposição. “Se a plataforma é visual, assim como na marcenaria o visual é muito forte, deve-se valorizar a fotografia. A foto tende a falar por si só. Ali, ela é o principal objeto de divulgação, o profissional fará apenas um complemento com o texto.”

Neste texto, vale colocar o preço e falar quanto tempo levou para produzir, relata Silva que completa que em principio ele não precisa contratar uma empresa para gerar esse conteúdo. Claro, se ele tiver bom senso de gerir isso. Ou seja, sem cuidado, a exposição pode ser negativa.

– Práticas sustentáveis melhoram a imagem e os rendimentos das empresas

A frequência, segundo o consultor, depende muito do produto e do tipo de negócio, mas fazer três ou quatro postagens por semana é o ideal para não ser esquecido no meio online. Além disso, para conquistar um público interessante começando do zero, pode-se apostar no uso de hashtags e seguir páginas que tratem do mesmo tema.

No entanto, para os que desejam investir no inbound marketing na marcenaria, o docente do FMU aconselha que contratar uma empresa especializada é mais adequado do que um profissional. “A média de investimento é em torno de R$ 5 mil (segundo o site Guia da Carreira). Estima-se que para cada R$ 1,00 investido, retorne R$ 4,00”, finaliza Santiago.

Reportagem originalmente publicada na edição 102 da Móbile Sob Medida


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile