Vendas no varejo crescem 1,1% em agosto

Entre as dez atividades pesquisadas pelo IBGE, oito registraram variação positiva, incluindo móveis e eletrodomésticos

Publicado em 15 de outubro de 2014 | 13:46 |Por: Renata Bossle

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Em agosto de 2014, o comércio varejista do país registrou crescimento de 1,1% no volume de vendas e de 1,3% na receita nominal, segundo dados divulgados hoje (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Após dois meses de quedas nos dois indicadores, ambas as variações foram positivas com relação ao mês anterior, ajustadas sazonalmente. A média móvel em relação ao volume de vendas permaneceu em queda, com -0,2%.

Divulgação IBGE

Comparativo de dados sobre vendas no varejo brasileiro obtidos pelo IBGE

Comparativo de dados sobre o varejo brasileiro obtidos pelo IBGE

Já no que tange à receita nominal, a média móvel continuou positiva em 0,2%. Nas demais comparações, obtidas das séries originais (sem ajuste), o varejo nacional obteve, em termos de volume de vendas, taxas de -1,1% sobre agosto do ano anterior e de 2,9% e 3,6% nos acumulados dos oito primeiros meses do ano e dos últimos 12 meses, respectivamente. Para os mesmos indicadores, a receita nominal de vendas apresentou taxas de variação de 5,2%, 9,2% e de 10,1%, respectivamente.

Leia mais:
Bento Gonçalves sedia palestra sobre varejo on-line
Móbile Lojista: informação para o varejo multimarcas
Varejo paulista acumula perdas em vendas

Nos resultados de agosto sobre o mês anterior, o IBGE observou que oito das dez atividades pesquisadas apresentaram variações positivas no volume de vendas. Em ordem de magnitude das taxas, os resultados foram: Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (7,5%); Tecidos, vestuário e calçados (3,2%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (2,5%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,6%); Combustíveis e lubrificantes (1,4%); Móveis e eletrodomésticos (1,3%); Livros, jornais, revistas e papelaria (0,9%); Material de construção (0,2%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,1%) e Veículos e motos, partes e peças (-2,5%).

Já na comparação com agosto de 2013 (série sem ajuste), das oito atividades do varejo, cinco registraram variações negativas no volume de vendas: Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,7%); Móveis e eletrodomésticos (-7,5%); Tecidos, vestuário e calçados (-1,2%); Livros, jornais, revistas e papelaria (-8,9%); e Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-6,8%). Os segmentos com impacto positivo foram: Combustíveis e lubrificantes com 0,1%; Outros artigos de uso pessoal e doméstico com 4,4%; e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria com 7,1%.

Divulgação IBGE

Indicadores do volume de vendas no varejo e no varejo ampliado segundo grupos de atividades

Indicadores do volume de vendas do comércio varejista e do comércio varejista ampliado segundo grupos de atividades

A atividade de Móveis e eletrodomésticos, com taxa de -7,5% no volume de vendas em relação a agosto do ano passado, foi responsável pela segunda maior participação negativa no índice geral. Essa variação foi impactada pelo menor ritmo de crescimento do crédito com recursos livres que, segundo o Banco Central, no acumulado dos últimos 12 meses, passou de 9,2% em agosto de 2013 para 5,0% em agosto deste ano. Cabe ressaltar que as altas de preços dos principais produtos que compõe esta atividade se encontram acima da inflação. Em termos acumulados, os resultados foram: 1,5% para os oito primeiros meses do ano e 2,6% para os últimos 12 meses.

(com informações da assessoria de imprensa do IBGE)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile