Vendas de móveis e de eletrodomésticos encolhem 14% em 2015

No comparativo entre dezembro de 2014 e dezembro de 2015, os principais impactos negativos na formação da taxa geral vieram dos recuos de 17,7% no volume de vendas no setor de móveis e eletrodomésticos

Publicado em 16 de fevereiro de 2016 | 11:48 |Por: Cleide de Paula

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

Em dezembro de 2015, as vendas no varejo recuaram 2,7% sobre o mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais. Nesse mesmo confronto, a variação da receita nominal foi de -1,9%. Para o volume de vendas, a queda registrada em dezembro ocorre após dois meses seguidos com variações positivas nessa comparação, período que acumulou crescimento de 1,9%. Com o resultado de dezembro, o indicador de média móvel para o volume de vendas volta ao campo negativo (-0,3%), enquanto a taxa para receita nominal permanece positiva (0,6%).

Na série sem ajuste sazonal, o total das vendas assinalou queda de 7,1% em relação a dezembro de 2014, nona variação negativa consecutiva nesse tipo de comparação. Com isso, os resultados para o volume de vendas foram negativos tanto no quarto trimestre de 2015 (-6,9%), como para o fechamento do ano (-4,3%). Em ambos confrontos as variações são as mais acentuadas da série histórica, iniciada em 2001. A taxa anualizada de -4,3%, pela ótica do indicador acumulado nos últimos 12 meses, em movimento descendente iniciado em julho de 2014 (4,3%), assinala sua maior perda desde novembro de 2003 (-4,6%). A receita nominal, para essas mesmas comparações, mantém-se no campo positivo, com variações de: 2,8% frente a dezembro de 2014 e 3,2% para o acumulado no ano e nos últimos 12 meses.

O comércio varejista ampliado, que inclui o varejo e as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, as variações sobre o mês imediatamente anterior foram negativas, com taxas de -0,9% para volume de vendas e de -0,2% para a receita nominal. No confronto com 2014, o volume de vendas apresentou resultados negativos, com quedas de 11,0% em relação a dezembro e de 8,6% no acumulado do ano. A receita nominal também apresentou decréscimo sobre dezembro de 2014 (-2,7%) e nos últimos 12 meses (-1,9%).

Período Varejo Varejo Ampliado
Volume de vendas Receita nominal Volume de vendas Receita nominal
Dezembro/Novembro
-2,7
-1,9
-0,9
-0,2
Média móvel trimestral
-0,3
0,6
-0,2
0,5
Dezembro 2015 / Dezembro 2014
-7,1
2,8
-11,0
-2,7
Acumulado 2015
-4,3
3,2
-8,6
-1,9
Acumulado 12 meses
-4,3
3,2
-8,6
-1,9

Seis das oito atividades pesquisadas apresentaram variação negativa

Na série ajustada sazonalmente, a passagem de novembro para dezembro de 2015 registrou recuo de 2,7% no volume de vendas, com predomínio de resultados negativos alcançando seis das oito atividades que compõem o varejo. Os principais destaques foram observados em móveis e eletrodomésticos (-8,7%), setor que vinha apresentando resultados positivos nos três meses anteriores, período que acumulou 7,8% de crescimento; outros artigos de uso pessoal e doméstico (-3,6%), após avanço de 4,1% no mês anterior; hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,0%), atividade de maior peso no varejo, que recua pelo segundo mês nessa comparação; tecidos, vestuário e calçados, que apontou queda de 2,1%, após dois meses de variações positivas, período que acumulou exatos 2,1%; e livros, jornais, revistas e papelarias (-1,4%), que registrou a segunda taxa negativa seguida.

Houve também expressiva redução de 9,1% em equipamentos de escritório, informática e comunicação, compensando, em dezembro, o ganho de 18,8% registrado no mês anterior. As taxas positivas foram registradas no setor que comercializa uma parcela de bens essenciais, como é o caso de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,4%) e em combustíveis e lubrificantes (0,5%), setor que avançou após oito taxas negativas seguidas, período que acumulou uma perda de 7,7%. Considerando o varejo Ampliado, a variação foi de -0,9%, com veículos e motos, partes e peças (0,4%) e material de construção (1,1%), permanecendo no campo positivo.

Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor varejista mostrou queda de 7,1% em dezembro de 2015, com perfil disseminado de resultados negativos entre as atividades que compõem o comércio varejista. Os principais impactos negativos na formação da taxa geral vieram dos recuos de 17,7% no volume de vendas no setor de móveis e eletrodomésticos e de 3,7% no segmento de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, seguidos por tecidos, vestuário e calçados (-10,3%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-7,9%) e combustíveis e lubrificantes (-10,0%).

Esses cinco setores juntos respondem por mais de 95% do resultado global para o varejo. As demais atividades registraram taxas negativas a dois dígitos, mas praticamente não tiveram influência significativa no resultado interanual do volume de vendas em dezembro: equipamentos e material para escritório, informática e comunicação(-15,4%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-14,9%). Por outro lado, artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, com avanço de 3,1% frente a dezembro de 2014, foi o único a exercer pressão positiva.

TABELA 1
BRASIL – INDICADORES DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA E COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO
SEGUNDO GRUPOS DE ATIVIDADES: PMC – Dezembro 2015

ATIVIDADES MÊS/MÊS ANTERIOR (1) MÊS/IGUAL MÊS DO ANO ANTERIOR ACUMULADO
Taxa de Variação (%) Taxa de Variação (%) Taxa de Variação (%)
OUT
NOV
DEZ
OUT
NOV
DEZ
NO ANO
12 MESES
COMÉRCIO VAREJISTA (2)
0,3
1,6
-2,7
-5,7
-7,8
-7,1
-4,3
-4,3
1 – Combustíveis e lubrificantes
-2,6
-0,4
0,5
-11,4
-12,0
-10,0
-6,2
-6,2
2 – Hiper, supermercados, prods. alimentícios, bebidas e fumo
1,9
-1,7
-1,0
-0,4
-5,6
-3,7
-2,5
-2,5
2.1 – Super e hipermercados
1,6
-1,3
-1,1
-0,5
-5,8
-3,8
-2,5
-2,5
3 – Tecidos, vest. e calçados
1,4
0,6
-2,1
-10,5
-15,6
-10,3
-8,7
-8,7
4 – Móveis e eletrodomésticos
0,5
6,8
-8,7
-16,1
-14,7
-17,7
-14,0
-14,0
4.1 – Móveis
-21,5
-18,9
-18,6
-16,2
-16,2
4.2 – Eletrodomésticos
-13,7
-13,0
-17,3
-12,9
-12,9
5 – Artigos farmaceuticos, med., ortop. e de perfumaria
1,9
1,2
0,4
-0,4
2,0
3,1
3,0
3,0
6 – Livros, jornais, rev. e papelaria
0,1
-0,6
-1,4
-9,3
-18,0
-14,9
-10,9
-10,9
7 – Equip. e mat. para escritório informatica e comunicação
-9,7
18,8
-9,1
-25,0
-5,6
-15,4
-1,7
-1,7
8 – Outros arts. de uso pessoal e doméstico
-0,6
4,1
-3,6
-9,0
-5,4
-7,9
-1,3
-1,3
COMÉRCIO VAREJISTA AMPLIADO (3)
-0,1
0,5
-0,9
-11,9
-13,2
-11,0
-8,6
-8,6
9 – Veículos e motos, partes e peças
-1,1
1,3
0,4
-23,9
-24,4
-20,0
-17,8
-17,8
10- Material de Construção
-2,7
0,5
1,1
-15,8
-13,6
-13,0
-8,4
-8,4
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio.
(1) Séries com ajuste sazonal. (2) O indicador do comércio varejista é composto pelos resultados das atividades numeradas de 1 a 8.
(3) O indicador do comércio varejista ampliado é composto pelos resultados das atividades numeradas de 1 a 10


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile