E-commerce é alternativa para varejo de móveis na Black Friday

As compras online têm se mostrado uma opção interessante para o consumidor que busca fazer compras maiores e de maior valor

Publicado em 25 de setembro de 2017 | 11:00 |Por: Thiago das Mercês

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Em tempos de crise e controle de gastos, encontrar uma oferta significa uma oportunidade de investimento para a compra de um bem durável como o mobiliário. Por isso, uma das datas mais aguardadas pelos consumidores, nos últimos anos, é o varejo de móveis no Black Friday. Tanta procura por produtos em desconto demanda das lojas de móveis uma preparação especial para esse período.

Dados divulgados pelo Serasa Experiam mostram que do dia 25 ao dia 27 de novembro do ano passado, as vendas do varejo de rua e de shoppings centers tiveram um aumento de 11% durante a Black Friday, em comparação com a mesma data sazonal de 2015, quando o crescimento em vendas foi de 9%.

Divulgação Redlar

varejo de móveis no Black Friday

A Redlar está antecipando a negociação com fornecedores, visando o varejo de móveis no Black Friday 2017

O resultado positivo se refletiu, também, no varejo de móveis no Black Friday. O diretor geral da Lojas MM, Emilio Glinski, ficou satisfeito com o desempenho da sua empresa. “Consideramos muito bom, vendemos quatro dias em um”, relata.

O presidente da Redlar, Ademir Gerson Deitos, afirma que os números da loja superaram os da média do mercado e os de 2015, mas que isso se deve, principalmente, à estreia do e-commerce da loja, há dois anos. “Tivemos o lançamento do e-commerce, o que resultou em um aumento na curva de vendas neste período”, explica Deitos.

E-commerce de móveis
O e-commerce foi, de fato, uma alternativa interessante para as vendas de móveis na Black Friday em 2016. O balanço da Ebit apontou que o comércio de todas as lojas virtuais somou R$ 1,9 bilhão no período. Aproximadamente 20% dessas compras foram feitas por meio de dispositivos móveis como celulares e tablets, o que representa um valor de R$380 milhões. Se compararmos a Black Friday de 2016 com a de 2015, a do ano passado teve uma alta de 21,6% nas vendas em e-commerce, segundo dados do Exame. As vendas virtuais vinham crescendo, em média, em uma taxa de 10,3%, de julho a outubro.

A vantagem do comércio online é o fato de ele ser o canal preferido do consumidor para compras maiores – e mais caras, consequentemente. Dessa maneira, o ticket médio das lojas virtuais acaba superando o das lojas físicas. Em 2016, esse valor foi de R$ 400, em média, no e-commerce, quantia 11,3% maior que no ano anterior.

Deitos conta que o lançamento do e-commerce da Redlar, depois de ajustado e melhorado, deixou os clientes da loja mais seguros para efetuar a compra. “Gerou a confiança do consumidor, tanto daqueles que já efetuavam compras na loja física, como daqueles que desconheciam a marca”, destaca.

O volume de vendas do varejo de móveis no Black Friday é intenso. É indispensável um planejamento para atender a demanda. “Realizamos pesquisas para entender as principais necessidades do cliente e oferecer as melhores oportunidades da categoria na data, com condições de pagamento diferenciadas”, explica o gerente de vendas da Via Varejo (empresa responsável pelas lojas de eletromóveis Casas Bahia e Ponto Frio), Victor Maglio.

– E-commerce de móveis se prepara para mais uma edição da Black Friday

O presidente da Redlar nota uma leve queda de ritmo das vendas nos meses de agosto e setembro. “O que pode ser consequência de o consumidor estar esperando pela Black Friday, um período do ano em que as promoções são mundiais e que o mercado todo está ‘promocionado’”, justifica.

Fraudes
Nesse período, é importante tomar uma atenção especial com a informação fornecida. O cliente precisa ser muito bem informado sobre as etapas do processo de compra, pois há um grande receio da possibilidade de fraudes. Um levantamento do Procon-SP indica que, até às 13h do dia 23 do ano passado, foram contabilizados 845 atendimentos, sendo que 583 tinham relação com empresas participantes da Black Friday.

Divulgação Lojas MM

varejo de móveis no Black Friday

O diretor geral da Lojas MM, Emilio Glinski, relata que no varejo de móveis no Black Friday se vende quatro dias em um

A mudança do preço após a finalização da compra registrou o maior índice de reivindicações, com 22,47%, seguido por produtos e serviços anunciados e indisponíveis, com 19,21% das reclamações. O órgão revelou, ainda, que problemas com o site tiveram uma contribuição de 2,74% nas reclamações dos consumidores, e 7,38% relataram um pedido cancelado sem justificativa por parte das lojas.

Deitos considera que um atendimento pessoalizado, mais íntimo, seja importante para que o cliente se sinta confortável. “Outro ponto positivo é a transparência de informações em todo nosso processo de compra. Além de todas as características técnicas do produto, também informamos como funciona o serviço de entrega, montagem e o prazo estabelecido para chegada do produto na casa do cliente, com dia e turno agendados previamente com ele”, conta.

Expectativa para 2017
Este ano, a Redlar está antecipando a negociação com fornecedores. Está preparando, também, um encontro interno com os compradores de cada unidade da marca, para a definição de margens adequadas, gerando um melhor custo-benefício para o cliente que está propício a comprar no varejo de móveis no Black Friday.

Divulgação Via Varejo

varejo de móveis no Black Friday

A Via Varejo se prepara para o varejo de móveis no Black Friday por meio de pesquisas que visam entender as principais necessidades do cliente

A loja também teve uma mudança estratégica na comunicação. Foi elaborado um material mais sofisticado e de longo prazo, com promoções semanais nas lojas, buscando despertar interesse nos clientes. “Nossa expectativa é que com essa mudança e preparação estratégica do negócio, consigamos atingir um melhor desempenho”, informa Ademir Gerson.

“Foram feitas muitas parcerias com as indústrias e a logística está preparada para o volume e a agressividade em todas as linhas”, garante Glinski, da Lojas MM. A Via Varejo, de acordo com Maglio, promete novidades para a data de ofertas. “Preparamos um portfólio especial que contará com lançamentos, oportunidades e ofertas exclusivas”, adianta.

Black Friday 2018
A partir do ano que vem, o comércio da Black Friday no Brasil pode não acompanhar mais o mercado internacional. As tradicionais vendas com desconto, que acontecem, atualmente, no fim de novembro, podem passar para o período entre o fim de setembro e começo de outubro. A mudança na data tem como objetivo distanciar as vendas da Black Friday do varejo natalino. Como as datas atuais são muito próximas, é frequente alguns consumidores aguardarem para aproveitar as promoções da data nas lojas norte-americanas para as compras dos presentes de fim de ano.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile