Setor moveleiro registra queda de 15,3% nas vendas

Em comparação com os primeiros seis meses do ano passado, índices negativos confirmam o cenário de instabilidade de 2016 com recuo de 14,9% na produção de móveis

Publicado em 22 de setembro de 2016 | 9:08 |Por: Phaenna Assumpção

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

De acordo com dados divulgados no relatório do IEMI – Inteligência de Mercado, o setor moveleiro finaliza o primeiro semestre deste ano no vermelho.

Para o presidente da MOVERGS, Volnei Benini, apesar dos números refletirem um momento delicado da economia, a solução para as indústrias do setor moveleiro é continuar o processo de investimento em seus negócios. “É necessário rever conceitos, produtos, tecnologias e questões relacionadas com a exportação, como, por exemplo, buscar novos mercados”, avalia.

Para o executivo, 2016 não é um ano perdido, e sim um ano de aprendizado e de muitos obstáculos que precisam ser ultrapassados. “Em 2017, quando a questão política estiver definida, vamos ter melhoras. Será o ano da retomada”, afirma, e completa: “No entanto, a consolidação acontecerá em 2018, quando voltaremos a ter um crescimento sustentável”.

Produção

De janeiro a junho, a produção de móveis brasileira fabricou 202.465 milhões de peças, o que representa uma queda de 14,9%, se comparado aos primeiros seis meses de 2015. No Rio Grande do Sul a situação se repete. O Estado produziu 35.012 milhões de peças, uma redução de 16,1%, com relação aos 41.711 milhões do mesmo período no ano passado.

Consumo

O consumo aparente de móveis nacional chegou a 200.967 milhões em volume, um recuo de 15,3%, frente aos 237.159 milhões de 2015. O gaúcho somou 33.448 milhões de peças, fechando com uma redução de 18,1%, se comparado aos 40.833 milhões do ano anterior.

Importação e exportação

A importação sofreu queda de 12,8%. De 6.122 milhões de peças importadas no ano passado, passou para 5.338. No Rio Grande do Sul, o cenário é ainda pior: foram importadas 728 mil peças no ano passado, contra apenas 219 mil este ano, uma diminuição de expressivos 70%.

O inverso acontece com relação à exportação. Enquanto no total nacional houve redução de 1,9%, no Estado, este índice é um dos poucos com crescimento de 11%. Em 2015, o RS exportou 1.606 milhões de peças. Este ano, foram 1.782 milhões.

A participação dos móveis importados foi de 2,7% e a de exportados 3,5%, ambos os índices apresentaram leve melhora comparados aos 2,6% e 3%, respectivamente, alcançados no ano passado. No RS, os importados, que representaram 0,7% do consumo interno em 2016, em 2015 chegaram a 1,8%.

A produtividade do setor de móveis acumulou queda de 11,3% em relação a 2015. Já a indústria de transformação registrou um pequeno aumento de 1,4%.

Vendas

Os índices negativos também chegaram às vendas do comércio varejista de móveis, que sofreram um recuo de 12,5% em volume e de 9% em valores, com relação ao mesmo período do ano passado. No comércio varejista gaúcho, os números foram positivos, com um aumento de 6,6% em volume e de 14,4% em valores.

Emprego

Outro segmento que apresentou resultados negativos foi o de geração de empregos. Conforme dados do Ministério do Trabalho e Emprego – CAGED, nos primeiros seis meses deste ano havia 238.888 mil postos de trabalho com registro em carteira no setor moveleiro, sendo 34.874 mil no Rio Grande do Sul. Comparando com o mesmo período de 2015, a retração foi de 10,2% em âmbito nacional e de 9,4% no Estado. A média salarial também caiu consideráveis 7,7%.

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile