Quatro dicas para manter a saúde financeira da sua empresa

Sócio-diretor da MyABCM, André Sanseverino comenta sobre erros comuns na hora de reduzir custos e dá dicas de como manter a saúde financeira das empresas

Publicado em 25 de outubro de 2016 | 8:54 |Por: Pedro Luiz de Almeida

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Apesar de existir projeções otimistas para a economia brasileira, essas são a longo prazo. Para a maioria das empresas afetadas pela crise, ações mais imediatistas, como reduzir custos, precisam ser tomadas, visando manter a saúde financeira das empresas. O setor moveleiro, principalmente, foi muito afetado com a redução do poder de compra das famílias de baixa renda, que representam um grande percentual de clientes para o setor.

Divulgação MyABCM

saúde financeira

“As organizações que sobrevivem aos tempos de crise são aquelas que sabem não só quais custos devem ser reduzidos, mas principalmente quais custos não devem ser reduzidos”, afirma André Sanseverino

Para o sócio-diretor da MyABCM, André Sanseverino, este é um momento que exige muita racionalidade e criatividade para controlar gastos de maneira inteligente, sem prejudicar a empresa. “Permita-se um exercício de imaginar toda a empresa do zero, repensar processos, canais de distribuição e mesmo os clientes atendidos”, instrui Sanseverino.

A companhia nacional com clientes em mais de 40 países é focada em projetos de controle e redução de custos e aumento de rentabilidade. Em específico para o setor moveleiro, o consultor pontua que a demanda por móveis está ligada com o nível de renda e comportamento de setores como a construção civil. “Se estes são impactados, toda a cadeia é afetada”, afirma.

Com muitos anos de experiência prestando atendimento para empresas de diversos ramos, André Sanseverino comenta que há erros corriqueiros que as organizações acabam cometendo, o que prejudica a saúde financeira do empreendimento. Para auxiliar os empresários, ele deixa alguns conselhos:

1 – O melhor cliente é aquele que dá mais lucro e não mais faturamento
“Muitas vezes um cliente que nos proporciona um alto faturamento igualmente nos exige uma série de contrapartidas como alta demanda de atendimento, adequação e padronização específica”, comenta Sanseverino. Segundo ele, este esforço é transformado em custos, que muitas vezes são ignorados pelos empresários ao se fazer análise de lucratividade dos clientes.

2 – Dominar a rentabilidade do seu mix de produtos
“É comum encontrarmos clientes que têm um produto considerado ‘carro-chefe’, mas quando analisamos mais detalhadamente descobrimos que estes produtos são deficitários; outros que imaginam serem deficitários na verdade são os mais rentáveis e os que estão ‘salvando’ a empresa”, exemplifica o especialista. O motivo para o equívoco é alocação inapropriada dos gastos e receitas, o que André Sanseverino comenta que “leva a análises equivocadas que, além comprometem a saúde financeira, podem ser fatais para a organização”.

Leia mais:
Oito dicas para aumentar produtividade da sua equipe
Veja como ampliar suas vendas na Black Friday 
Oito dicas para faturar mais com seu e-commerce

3 – Não sacrificar a qualidade dos produtos e serviços
Comprometer a qualidade dos produtos ou serviços prestados pela sua empresa visando reduzir custos, impacta diretamente na saúde financeira. “Se a ideia é tentar manter os níveis de vendas e fazer com que a sua marca seja mais vista pelos clientes atuais e por potenciais clientes, é imprescindível que a qualidade seja mantida. Às vezes, pequenas reduções de custos acarretarão diminuições muito grandes na qualidade do produto ou serviço final”, alerta Sanseverino.

4 – Trabalhar corretamente o Omnichannel
Omnichannel é uma tendência do varejo que ganha cada vez mais força. O conceito tem como base trabalhar a convergência dos diversos canais de uma marca visando sempre a melhor experiência de compra do cliente. “A loja física deve ser a extensão da loja virtual e vice-versa e isto não inclui somente a experiência sensorial, mas também reunir as mesmas condições de preço, entrega e prazos de pagamentos entre os diversos canais”, destaca Sanseverino. O indicado, segundo o dirigente da MyABCM, é definir bem qual produto será comercializado em cada canal e fazer uma análise cuidadosa dos custos para ambas operações, loja física e virtual.

O conteúdo completo sobre o tema pode ser conferido na matéria exclusiva da edição número 332 da revista Móbile Lojista. A revista está disponível por meio do aplicativo para Android e iOS. Assinaturas podem ser solicitadas pelo 0800-9791981.


Os comentários estão desativados.

eMobile