São Paulo: mercado potencial na capital e no interior

A superintendente do D&D Shopping, Vânia Ceccotto, comenta sobre o ramo específico de shoppings voltados exclusivamente para decoração no Estado de São Paulo

Publicado em 21 de julho de 2014 | 9:06 |Por: Marina Gallucci

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Divulgação D&D Shopping

Vânia Ceccoto: "O nosso segmento de decoração e o mix de loja do D&D Shopping ainda é mais presencial. Pode-se usar a internet para fazer toda a pesquisa de produto e de compra, mas na hora de fechar negócio, a maioria ainda é feita fisicamente na loja"

Vânia Ceccoto: “O nosso segmento de decoração e o mix de loja do D&D Shopping ainda é mais presencial. Pode-se usar a internet para fazer toda a pesquisa de produto e de compra, mas na hora de fechar negócio, a maioria ainda é feita fisicamente na loja”

Na edição em circulação da Móbile Lojista, de número 309, o Especial São Paulo abordou o potencial que o Estado paulista tem para crescimento, tendo, entre outros indicativos, o volume do número de shopping centers que surgem no interior e na capital. Segundo dados da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), o Estado de São Paulo lidera o ranking com o maior número de unidades no modelo de varejo em operação, 166, e com a previsão que aumente para 177 até o final do ano. É um total de 4.892.504 de Área Bruta Locada em funcionamento.

São Paulo também é líder no número de shoppings temáticos, que é o caso do D&D, um dos pioneiros do segmento de decoração e design na América Latina. São ao todo 95 lojas voltadas ao segmento, distribuídas por 24 mil m² de área total.

A superintendente do empreendimento, Vânia Ceccotto, conversou com a equipe do Portal eMobile e contou sobre as oportunidades de crescimento no Estado de São Paulo e de algumas especificidades da atuação no ramo de shoppings especializados. Confira:

Portal eMobile – O mercado do Estado de São Paulo coloca-se em posição de destaque em relação às oportunidades no varejo e no mercado de shopping centers?
Vânia Ceccotto – O setor brasileiro de shopping centers vem de seguidas altas. Como em outros setores, os mercados do Sudeste e Sul, geralmente, são mais desenvolvidos e já atendem à demanda e necessidade de onde estão inseridos, o que faz com que o fluxo de investimentos aumente para as outras regiões, que possuem mais campos a serem explorados.

A que se deve isso? Potencial do mercado consumidor, desenvolvimento econômico, ou outros fatores?
Vânia – O D&D Shopping é um shopping especializado e este segmento está crescendo e é oriundo da exigência dos consumidores por formatos que melhor atendem suas necessidades. Eles começam a surgir, pois a população começa a exigir esses espaços mais específicos. Chamamos a atenção do consumidor por reunir as melhores marcas de decoração em um mesmo local.
Outro destaque é que, por conta das lojas existentes, oferecemos alimentação e lazer, temos no Complexo WTC, teatro, Hotel e excelentes restaurantes, com isso, conseguimos fazer com que o consumidor passe mais tempo no empreendimento. Além disso, se torna um lugar de fácil escolha pela facilidade de estacionamento e também segurança.

Leia mais:
Conheça o consumidor do Sudeste
Interior de São Paulo é destaque no e-commerce
Tecnologia munda relação de consumo em shoppings

Vocês atuam na capital, mas percebe-se potencial de desenvolvimento no interior do Estado para shoppings nesse formato de só lojas de decoração?
Vânia – Pioneiros no segmento, acreditamos no desenvolvimento do interior do Estado que, inclusive, são de onde vem compradores assíduos do empreendimento. O D&D Shopping é um centro referência em decoração e design e é responsável por trazer ao Brasil um conceito revolucionário de empreendimento, um shopping all in one, especializado em móveis e objetos de decoração, onde reúne as mais importantes marcas do segmento, tornando-se referência em sofisticação e bom gosto para profissionais e empresários do ramo.

Sendo um mercado com grande acesso à tecnologia e novidades, para quem está localizado no mercado de São Paulo, o grau de exigência é maior?
Vânia –
O consumidor, em geral, está mais exigente. Hoje, a informação chega a todos, fazendo com que o consumidor se mantenha atualizado, informado e exigente. Os varejistas precisam se preparar para conquistar um consumidor brasileiro cada vez mais exigente, consciente e ansioso por novidades. O consumidor brasileiro é bem informado e muitas vezes já chega ao local com as características do produto que quer comprar, o que torna obrigatório para os varejistas um cuidado maior com o atendimento.É importante sempre apresentar o que há de mais atual em tendências e facilitar o atendimento, a pré-venda e, principalmente, a pós-venda.

Divulgação D&D Shopping

Fundado em 1995 na capital paulista, o shopping integra o complexo WTC SP composto pelo Sheraton São Paulo WTC Hotel, WTC Tower, WTC Events Center e WTC Business Club

Fundado em 1995 na capital paulista, o shopping integra o complexo WTC SP composto pelo Sheraton São Paulo WTC Hotel, WTC Tower, WTC Events Center e WTC Business Club

Que leitura fazem sobre a transformação das pessoas em relação ao varejo (frente ao e-commerce e ao dispositivos móveis) e como isso tem se refletido nos shoppings? Como o setor tem se adaptado a isso?
Vânia –  O gosto do brasileiro pelas redes sociais já vem sendo analisado há muitos anos. Uma pesquisa Ibope/YouPix de julho de 2013 mostrou que 92% dos jovens do País que acessam a internet usaram redes sociais. Mesmo quando se leva em conta o total de pessoas que navegam na rede, de todas as idades, são 78% acessando algum tipo de rede social. Mais de 80 milhões de brasileiros acessam a web e desde 2010 o acesso feito por smartphones e tablets cresceu 43%. Twitter, Facebook e YouTube estão entre as plataformas onde o uso brasileiro só perde para o dos Estados Unidos.

Os clientes não querem apenas interagir com as redes sociais mas, também ter esta experiência no ponto de venda, já é possível notar que muitos varejistas estão revendo os layouts de suas lojas, o visual do merchandising, a criação de atividades interativas e o uso da tecnologia para entreter o consumidor. Já o comércio eletrônico está mudando o modo de funcionamento de muitos negócios, depois da era da globalização. Muitos lojistas fixos possuem e-commerce. O nosso segmento de decoração e o mix de loja do D&D Shopping ainda é mais presencial. Pode-se usar a internet para fazer toda a pesquisa de produto e de compra, mas na hora de fechar negócio, a maioria ainda é feita fisicamente na loja.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile