Preços no e-commerce registram deflação em todos os meses de 2017

Índice Fipe Buscapé aponta que retração foi de 2,11% em dezembro, na comparação com mesmo período do ano passado

Publicado em 19 de janeiro de 2018 | 15:37 |Por: Ricardo Heidegger

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Segundo dados apurados pelo Índice Fipe Buscapé, os preços no e-commerce brasileiro fecharam todos os meses de 2017 em queda. São 13 meses consecutivos de deflação anual, ou seja, comparada ao mesmo mês do ano anterior. Em dezembro, a retração foi de 2,11% e na comparação com novembro, os preços retraíram 0,25%.

O Índice Fipe Buscapé é uma pesquisa que acompanha os preços no e-commerce brasileiro desde 2011. São considerados cerca de 41 mil produtos que representam aproximadamente 80% das compras deste canal. O cálculo é realizado com base em mais de três milhões de preços mensais extraídos da plataforma do Buscapé e em pesos derivados de pesquisa anual com cerca de 3,6 milhões de e-consumidores, realizada pela Ebit.

Divulgação Buscapé/Ketchum

Preços no e-commerce brasileiro

Série histórica do Índice FIPE Buscapé

Dos dez grupos monitorados pelo índice Fipe Buscapé, apenas quatro apresentaram redução em dezembro. Segundo a pesquisa, a queda foi impulsionada principalmente pelas categorias de telefonia e celulares (-12,99%) e fotografia (-8,54%). Moda e acessórios (-2,15%) e esporte e lazer (1,02%) também apresentaram queda. No campo oposto, registraram aumento de preço os grupos de informática (0,48%) e eletrônicos (2,15%), casa e decoração (3,21%), eletrodomésticos (3,24%), cosméticos e perfumaria (3,59%) e brinquedos e games (5,86%).

“Já são 13 meses de quedas consecutivas de preços. O cenário mais estável impactou positivamente no e-commerce. Quem ganha com isso é o consumidor, que pode encontrar no comércio eletrônico uma alternativa de compra segura, cômoda e, principalmente, mais econômica”, comenta o CEO do Buscapé, Sandoval Martins.

De acordo com o índice, por conta de sua composição e características, a cesta de produtos do e-commerce tende a ser deflacionária em condições ideais de mercado. A comparação é feita sempre dos mesmos produtos, que tendem à desvalorização com o uso crescente da tecnologia, lançamento de um produto superior na mesma categoria ou troca de coleção e mostruário.

– Feira de Móveis de Minas Gerais abre credenciamento para lojistas

Já a inflação dos preços gerais, medida pelo IPCA, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi de 2,95% nos últimos 12 meses terminados em dezembro. O índice aponta que o resultado é próximo ao piso do intervalo de meta inflacionária de 3%, o que mostra que os preços no e-commerce tiveram variação de -4,92% em relação aos preços gerais da economia.

(com informações de assessoria)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile