Pesquisa revela participação do móvel gaúcho no mercado

Para quem revende móveis, os produtos do Rio Grande do Sul trazem na receita “a cereja do bolo”. Fórmula que tem dado certo, já que a produção local lidera absoluta nos canais de vendas

Publicado em 22 de abril de 2014 | 17:07 |Por: Marina Gallucci

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A participação dos móveis e colchões produzidos pelas indústrias do Rio Grande do Sul respondem por 22,5% das receitas e 21,6% de todas as unidades comercializadas pelo varejo brasileiro. Os números são da pesquisa do Estudo dos Canais do Varejo de Móveis e Participação dos Móveis Gaúchos, de novembro de 2013, uma parceria entre o Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi) e o Centro Gestor de Inovação Moveleiro (CGI).

Divulgação Ditália

Cozinha Rio, da Ditália

Cores diferenciadas são um dos pontos destacados pelos varejistas, como na cozinha Rio, da Ditália, disponível com portas no padrão Mostarda. O foco da empresa são as classes B e C, mas, segundo a companhia, há grande penetração também nas classes D e A

Os índices revelam uma participação significativa na cartela de produtos oferecidas pelos canais de varejo pesquisados. Para o diretor do Iemi, Marcelo Prado, fica claro que as marcas que predominam no varejo brasileiro são gaúchas. “Existe um reconhecimento da qualidade, da tradição do móvel do estado dentro do varejo brasileiro”, completa.

Leia mais:
– Rio Grande do Sul é destaque no mobiliário brasileiro
– Antecipador de tendências: o móvel gaúcho pelos fabricantes
– Estudo revela tendências de consumo para 2014

Hoje, por exemplo, os móveis para cozinhas oriundos do Rio Grande do Sul representam 57,5% do volume e 53,4% dos valores negociados no canal de “Redes de Lojas Especializadas”. E o padrão se repete nos demais canais: nas “Lojas Independentes Especializadas”, a principal linha de mobiliário comercializadas são as cozinhas, com 48,6% do volume e 43,9% dos valores do canal, seguidas pela linha para sala de jantar, com 32,1% do volume e 37,7% dos valores.

Confira essa reportagem completa na edição 304 da revista Móbile Lojista.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile