Máquina de Vendas contrata novo CEO

Luiz Wan-Dall, ex-CEO da Atlas Eletrodomésticos, passa a comandar a rede varejista que se encontra em delicada situação financeira

Publicado em 3 de outubro de 2018 | 11:38 |Por: Luis Antônio Hangai

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O novo CEO da Máquina de Vendas é Luiz Wan-Dall, que até então comandava a Atlas Eletrodomésticos. Ele assumiu, ao término de setembro, as rédeas da endividada gigante varejista que precisou iniciar um plano extrajudicial de reestruturação para manter acesos os acordos com credores e fornecedores. O atual presidente substitui Ricardo Nunes, fundador da Ricardo Eletro – uma das principais bandeiras do grupo, junto com Insinuante, City Lar e Salfer – que agora passa a ocupar o cargo de co-presidente.

Novo CEO da Máquina de Vendas, Luiz Wan-Dall

Novo CEO da Máquina de Vendas, Luiz Wan-Dall

As mudanças no centro de comando da 3ª maior varejista do Brasil – atrás apenas da Via Varejo e Magazine Luiza – visam reverter o quadro de endividamento em que a companhia se encontra: um débito superior a R$ 3 bilhões junto aos seus fornecedores (sobretudo de eletroeletrônicos) e bancos.

O primeiro passo foi transferir o controle para a Starboard, gestora brasileira de fundo de participação especializada em investimentos de alto risco e em “socorrer” companhias em crise, que adquiriu 72,5% da Máquina de Vendas pelo aporte de R$ 250 milhões em agosto.

O pedido de recuperação extrajudicial da Máquina de Vendas e sua aquisição pela Starboard foram pré-requisitos para que a varejista pudesse costurar um acordo com seus fornecedores e credores e renegociar as condições de pagamento da dívida. Nos últimos anos, fabricantes como Electrolux, Samsung e Whirpool, após fracassadas tentativas de receberem os pagamentos em atraso, interromperam o fornecimento de produtos à Máquina de Vendas.

Nas últimas semanas os fornecedores liberaram linhas de crédito no valor de R$ 100 milhões, de um total de R$ 800 milhões, para a compra de mercadorias, o que equivale a três meses de capital de giro. A entrada dos recursos deve começar a movimentar o negócio, mas o desafio passa a ser administrar este capital: comprar aquilo que a empresa conseguirá vender, e com maiores margens, para que a venda gere caixa mais rapidamente.

Novo CEO da Máquina de Vendas revisará política do “menor preço”

O novo CEO da Máquina de Vendas, de acordo com as informações em seu perfil no LinkedIn, é formado em Ciências Contábeis e pós-graduado em Controladoria e Finanças. Em 16 anos de carreira profissional, Wan-Dall, de 37, acumulou experiência em cargos de diretoria administrativa e governança corporativa. Era CEO da Atlas Eletrodomésticos desde 2010.

De acordo com informações do jornal Valor Econômico, nos últimos anos a política comercial e de marketing do grupo esteve pautada pela aquisição de altos volumes e exposição forte da marca na mídia. Orientava-se comercialmente e publicitariamente pela “briga aos menores preços” o que acabou por deteriorar su lucratividade ao longo do tempo e acelerar o endividamento.

Não dá para liberar determinada negociação com fabricante se aquela compra não trouxer rentabilidade também. Vender só por vender não existe mais

“Não é mais possível pensar com a cabeça que tínhamos, é preciso virar o chip. Já tivemos discussões sobre isso aqui. Não dá para liberar determinada negociação com fabricante se aquela compra não trouxer rentabilidade também. Vender só por vender não existe mais. A intenção é ampliar esse portfólio de produtos mais pesados, como móveis e eletrônicos, com novos itens de fornecedores. Com essa carteira maior, poderemos complementar o mix à venda”, disse Wan-Dall, em entrevista ao Valor Econômico.

Wan-Dall passa ocupar o cargo de CEO da Máquina de Vendas, enquanto que o empresário Ricardo Nunes e Luiz Carlos Batista, fundador da Insinuante, compõem o conselho de administração, que tem como presidente o diretor e sócio da Starboard, Pedro Bianchi.


Os comentários estão desativados.

eMobile