Mulheres no comando do consumo

Móbile Lojista ajuda a entender qual o perfil consumidor das mulheres de hoje – com recursos e ainda mais poder de decisão em relação às compras da casa e da família

Publicado em 2 de junho de 2014 | 14:55 |Por: Frances Baras

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Shutterstock

Mulheres no comando do consumo

O perfil consumidor da mulher mudou nos últimos anos; agora elas têm mais recursos e maior poder de decisão

Elas são maioria no Brasil, vivem mais, têm mais escolaridade e maior expectativa de vida. Não bastasse isso, estão ganhando espaço na política, no mercado de trabalho e na sociedade como nunca visto antes. Segundo informações divulgadas pelo instituto de pesquisas de mercado Kantar Worldpanel, 27% dos cargos de liderança do Brasil são ocupados por mulheres (os dados são do International Business Report, de 2012). Mas o que isso representa em seu comportamento de consumo?

“A mulher não depende mais do homem, que liberava o recurso. Hoje ela tem  essa autonomia”, diz Vinic

“A mulher não depende mais do homem, que liberava o recurso. Hoje ela tem
essa autonomia”, diz Vinic

Para o professor e coordenador dos cursos de pós-graduação em marketing da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Richard Vinic, sempre se conectou o ato de comprar com o gênero feminino. “A mulher sempre teve um papel muito forte de influenciadora. Por mais que não fosse ela quem comprasse ou fosse utilizar o produto, ela influenciava a decisão. O que mudou nas últimas décadas é que, até em função destes novos papéis – a mulher está trabalhando, ganhando seus próprios recursos – ela passou a ser decisora também”, reconhece.

Leia mais:
Máquinas: alta mensal de receitas não alivia queda
Design Universal: acessibilidade para todos
Desoneração da folha de pagamento será permanente

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), hoje as mulheres são responsáveis por, aproximadamente, 80% das decisões de compra. E elas representam um mercado de mais de R$ 1 trilhão por ano, segundo conta o presidente do Instituto Data Popular, Renato Meirelles. “A mulher é um shopper privilegiado e deve ser vista como tal pelo varejo e pela indústria. Sete em cada 10 homens afirmam que a mulher que escolhe a roupa que eles usam e os número continuam altos quando se fala nas compras de supermercado, móveis e até de computadores”, exemplifica.

As pesquisas do Data Popular dão conta, ainda, de que são as mulheres que administram o orçamento doméstico e elas quem decidem a maior parte dos gastos e compras da família, com o bônus de 14 milhões de brasileiras terem ingressado no mercado de trabalho nas últimas duas décadas. De dez anos para cá, a massa da renda das mulheres cresceu 83% contra 45% do avanço entre os homens, também conforme os levantamentos do instituto.

Se elas tiveram estas vantagens, como desvantagem aparece a falta de tempo para fazer as compras. “Essa é uma leitura interessante. Da mesma forma que o varejo e a indústria ganharam uma grande consumidora, ela não dispõe mais do tempo que tinha antes. Tudo que viabilizar esse tempo, trouxer mais conveniência, terá uma demanda muito grande, porque ela precisa conciliar as suas diferentes tarefas, seus diferentes papéis na sociedade”, prevê o professor da FAAP.

Confira essa reportagem completa na edição 306 da revista Móbile Lojista.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile