Móveis e eletros tem queda de 0,1% nas vendas em janeiro

Dados divulgados pelo IBGE, apontam que vendas envolvendo o comércio varejista caíram 0,7% em janeiro de 2017

Publicado em 5 de abril de 2017 | 15:05 |Por: Gabriel Belo

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE), as vendas de móveis e eletrodomésticos no varejo tiveram queda de 0,1% em janeiro, comparado a dezembro de 2016. Na comparação com o mesmo mês de 2016, a queda no volume de vendas é maior, representando -3,5%.

A variação de -3,5% no volume de vendas em relação a janeiro do ano passado, foi o recuo menos acentuado desde janeiro de 2015 (-3,4%). Em termos de resultado acumulado nos últimos 12 meses, a taxa ficou em -10,6%. Segundo a publicação, com a dinâmica de vendas associada à disponibilidade de crédito, o resultado de janeiro de 2017, abaixo da média geral, foi influenciado pela menor variação da taxa de juros dos últimos dois anos.

Com relação ao comércio varejista geral, houve decréscimo de 0,7% em janeiro de 2017, na comparação feita diretamente com dezembro do ano anterior, também mostrando que esse é o segundo mês consecutivo de queda. Já com relação a janeiro de 2016, a queda foi de 7%. Essa é a 22ª taxa negativa consecutiva nessa comparação. O indicador acumulado dos últimos 12 meses, com queda de 5,9%, mantém sequência de taxas negativas desde maio de 2015.

Entre as oito atividades analisadas pelo IBGE, seis apresentaram decaída: equipamentos/materiais de escritório (-4,8%), combustíveis e lubrificantes (-4,4%), livros, revistas, jornais e papelarias (-1,9%), artigos de uso pessoal/doméstico (-1,8%), artigos farmacêuticos, ortopédicos, médicos e cosméticos (-1,1%) e móveis e eletrodomésticos (0,1%).

Por outro lado, o campo de mercados/hipermercados e indústria alimentícia, que representa a maior fatia na estrutura do varejo, teve variação positiva de 0,2%. No entanto, olhando para os dados gerais de 2016, foi esse setor, também, o responsável pelo maior impacto negativo.

Na comparação direta de janeiro de 2016 com o mesmo período de 2017, há uma queda de 7,0%. No acumulado dos 12 meses, o recuo dessa atividade foi de 3,2%.  Já tecidos, vestuário e calçados teve variação positiva de 4,1% em um mês, mas é necessário levar em conta a influência do Natal. Para dados completos, com tabelas comparativas em todos os setores, a publicação completa da pesquisa pode ser acessada no IBGE.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile