Investimentos podem reter talentos no varejo

Mais que qualificar as equipes para estarem na linha de frente do atendimento ao cliente, treinamentos ajudam a valorizar colaboradores e oportunizar carreiras no varejo

Publicado em 11 de junho de 2014 | 9:06 |Por: Marina Gallucci

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Divulgação/Lojas Cem

Para a Lojas Cem, levar os colaboradores para um dia de treinamentos na sede foi uma forma de aproximá-los dos valores e da missão da empresa

Para a Lojas Cem, levar os colaboradores para um dia de treinamentos na sede foi uma forma de aproximá-los dos valores e da missão da empresa

Desmistificar a ideia de que o varejo só oferece trabalhos temporários e mostrar que é possível construir carreiras sólidas têm sido estratégico para muitas redes de lojas. De um lado há as taxas de turnover e a falta de mão de obra qualificada – reclamações constantes de quem é gestor do setor. Porém, de outro, há histórias como a do vendedor que chegou ao cargo executivo mais alto de uma varejista.

A história não é só uma anedota motivacional para engajar os colaboradores. Quem conta é o supervisor geral da Lojas Cem, Sérgio Domingos Alves. Segundo ele, faz parte da essência da empresa formar seus cargos de liderança e nunca contratá-los no mercado. “Inclusive eu que ocupo o cargo mais importante dentro da empresa, comecei como vendedor há 28 anos”, diz.

E isso não é um caso isolado. “Todos os nossos profissionais de comando são formados dentro da empresa. Lógico que vamos aperfeiçoando isso sempre, quando comecei era diferente, mas a aposta é a mesma: a de valorizar o talento da casa”, afirma. Esse processo é construído em cima de contínuos treinamentos e avaliações dos profissionais, que vão se qualificando de forma progressiva, para se inscrever em programas que permitem avançar os passos necessários para a formação de carreira, comenta o supervisor.

Leia mais:
– Móbile Lojista: tudo sobre a Femur
– Copa do Mundo: Ponto de venda verde e amarelo
– A importância da formação para montagem de móveis

Para isso, a Lojas Cem, que hoje tem 11 mil colaboradores, aposta em comunicação corporativa com a TV Cem, em treinos in loco com profissionais que percorrem as unidades identificando “gaps”, verificando reclamações do consumidor para identificar novas necessidades de treinamento, auditorias e estabelecimento da ISO Lojas Cem, entre outras iniciativas.

Modelo parecido, também com TV própria e instrutores regionais para qualificação, além de um portal para treinamentos, a Lojas Romera, segundo o diretor-executivo, Júlio Lara, enxerga nessas iniciativas uma forma de reconhecer e identificar as potencialidades da equipe, hoje com 4.390 colaboradores. “Desde que implantamos a cultura de treinamento na empresa, há uma melhor retenção de capital humano, porque temos identificado diferenciais e, em conjunto com o programa de crescimento interno da empresa, dado a oportunidade de, por exemplo, uma zeladora começar a trabalhar no crediário”, diz. A proximidade dos instrutores de treinamento com os funcionários, afirma Lara, permite observar e investir nas pessoas que se destacam. “E temos vários desses cases”, explica.

Os treinamentos na Romera passaram a funcionar neste ano como parte do Programa Ciclo. “Numericamente não conseguimos mensurar, mas percebemos a diferença no clima da empresa e no nível de entrega. Entendemos que realmente estamos no caminho certo”, comemora.

Ele ainda comenta que, inevitavelmente, o atendimento também acaba melhorando, porque os vendedores passam a conhecer melhor o produto, dominam as propriedades e compreendem a importância do cliente ser notado e do atender bem. “Eles vão percebendo que isso faz diferença e que a melhora no resultado deles é fruto do treinamento, que implica, por sua vez, na remuneração e no alcance das metas”, diz.

Para a assessora de treino da Celmar, Claudia Jakuboski, a qualificação permite além de uma venda mais técnica e assertiva, que o profissional ganhe mais confiança naquilo que realiza no dia a dia. “Eles passam a ter mais argumentos, realizam a venda de forma mais embasada e têm mais propriedade para efetivar a venda, não precisam falar ‘qualquer’ coisa para consegui-la”, argumenta.

Confira essa reportagem completa na edição 307 da revista Móbile Lojista.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile