Millenials: o que o varejo precisa saber?

Já nascidos no meio digital, os jovens desta geração trazem desafios em seu comportamento de consumo, em especial para a venda de móveis

Publicado em 19 de dezembro de 2015 | 10:19 |Por: Frances Baras

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

Forte presença na internet e consumo consciente e colaborativo são algumas das características dos jovens de hoje. Também conhecidos como consumidores 2.0, eles são os Millenials – nascidos entre a década de 1980 e os anos 2000, em plena revolução digital.

“Ser ou ter” é o dilema colocado pela trend analyst e cool hunter Fah Maioli, também colunista do portal eMobile, na edição 112 da revista Móbile Decore e que expressa bem suas características desse grupo. Em seu artigo, ela explora o viés tecnológico e socialmente responsável que estes jovens apresentam.

“Os Millenials não compram, utilizam. São instruídos e estão modificando a economia e os projetos de mobiliário”, escreve. “Amam compartilhar e não possuir, seguindo o conceito de sharing economy (economia compartilhada) – ou seja, compram design para ser e não para ter”, completa.

Esses jovens consumidores também não são apegados a marcas, ressalta a presidente da Shopper Experience, Stella Kochen Susskind. “O que eles buscam são as soluções apresentadas por marcas, produtos e serviços”, comenta. “Na prática, eles estão interessados na cocriação – ou seja, produtos que fiquem com a cara deles, que possam ser customizados.”

O presidente da YouDB e especialista em marketing, Leonardo Barci, lembra que eles são pessoas que “buscam causas para se relacionar e não apenas marcas. Falando do segmento de móveis, são pessoas que irão escolher marcas que tem atras de si uma cadeia sustentável de produção”, alerta.

man-person-apple-iphone

 

Multiplataforma

Mas uma das características mais importantes – e que também afeta diretamente o varejo – é a forma de comprar. Stella lembra que, principalmente por serem nativos digitais, os Millenials têm “apego aos aparatos tecnológicos” e as lojas devem pensar na integração dos meios físico e online.

“O estereótipo de um(a) jovem ou jovem adulto com um celular na mão postando nas redes sociais é verdadeira apenas sob o mesmo princípio de que pessoas com mais de 50 anos assistem mais televisão aberta do que a média das pessoas”, confirma Barci.

E tão importante quanto oferecer diversos canais para a aquisição do seu produto é o seu website ser completamente responsivo, conforme lembrou Richard Gallagher, da Haverty Furniture, em entrevista ao editor sênior de varejo da Furniture Today, Clint Engel. “É fundamental apresentar a informação da forma que o consumidor quer.”

Ele conta que os consumidores e, em especial os Millenials, estão migrando para a navegação e compra via móbile (no Brasil também crescem os usuários de smartphones e o uso do m-commerce). Como exemplo, Gallagher cita o próprio site da Haverty, que, segundo ele, roda em qualquer aparelho e qualquer sistema operacional graças à uma nova tecnologia de desenvolvimento.

Além disso, é possível escolher comprar os produtos pelo site ou loja física, já que a plataforma disponibiliza informações sobre onde é possível encontrar o produto mais perto do consumidor.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile