M-commerce: 41% usaram o canal em seis meses

Pesquisa busca entender os hábitos de m-commerce dos consumidores brasileiros

Publicado em 9 de outubro de 2015 | 10:10 |Por: Marina Gallucci

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

O m-commerce, o uso de aplicativos para compra de mercadorias físicas, começa a crescer. (O mercado também é visto como uma alternativa para o setor moveleiro, relembre aqui). Nos últimos seis meses, 41% dos internautas brasileiros donos de smartphones fizeram pelo menos uma compra de bem físico através de um app móvel. É o que aponta levantamento realizado pela Opinion Box, em parceria com o portal Mobile Time.

O objetivo da pesquisa foi entender os hábitos de m-commerce por meio de aplicativos em smartphones. Para tanto, ao todo, foram realizadas 1.247 entrevistas online com usuários de smartphones –  sendo 54% do público formado por mulheres e 46% por homens, de todas as classes sociais com 16 anos ou mais, em 445 cidades de todos os estados do País (informações do blog da Opinion Box, empresa de soluções digitais para pesquisas de mercado e coleta de dados primários). A margem de erro é de 2,8 pp com nível de confiança de 95%.

Pesquisa-de-mercado-M-Commerce-Amostra

De acordo com o CEO do Opinion Box, Christian Reed, o objetivo da pesquisa era medir alguns aspectos relacionados ao consumo e ao uso do celular, que nunca haviam sido mensurados no país. “Por exemplo: quem tem smartphone faz compras através de apps? Quais são os hábitos de compras das pessoas? Esses hábitos variam de acordo com o sexo, idade ou classe social? Quais são os apps mais utilizados? E quais são os mercados mais competitivos?”, indagou o executivo durante o painel de abertura do Mobile+, evento onde os dados foram apresentados.

Leia mais:
E-commerce: pesquisa avalia experiência online
M-commerce é tendência no setor moveleiro
 Comércio eletrônico cresce 26% no 1º semestre

Entre outros números, a pesquisa mostrou que dos 41% dos consumidores que utilizaram pelo menos uma vez um aplicativo móvel para compra, 43% dos homens e 39% das mulheres responderam afirmativamente. “É interessante notar que entre as pessoas das classes A e B, o índice de compras foi maior: 49% das pessoas dessa fatia fizeram compras pelo celular nos últimos 6 meses, frente a 37% das pessoas das classes C, D e E”, afirma Reed. Outro fato interessante é que o uso é maior entre pessoas com idades entre 18 e 45 anos, o que corresponde a 44% dos que fizeram compras.

Os entrevistados também foram questionados quanto à categoria de produtos adquiridos por meio de app em smartphones. Os eletroeletrônicos estão no topo da lista e foram adquiridos por 30% das pessoas. Sendo que 41% dos homens e 20% das mulheres mencionaram ter adquirido esses produtos.

Segundo informações são 31º WebShoppers, o m-commerce representa atualmente 9,7% das compras pela Internet no País. A maior parte dessas transações são originadas de smartphones (56%), de acordo com o registrado, superando o uso dos tablets. O perfil do consumidor mobile traz as classes A e B como as que mais consomem com a plataforma (62%), ante as classes C e D (27%).

Os respondentes também foram convidados a apontar até três aplicativos que costumam usar. Os nomes mais apontados pelos brasileiros foram Mercado Livre (27,4%), AliExpress (19,7%), OLX (13,5%), Americanas.com (11,4%) e iFood (10,9%). As marcas de destaque com 5% a 10% das citações foram Submarino, Dafiti, Extra, Peixe Urbano, Casas Bahia e Wish. E com 3% a 5%: Privalia, Netshoes, Buscapé, Ponto Frio, Saraiva, Groupon, Amazon, Ebay e Magazine Luiza.

A conclusão, na visão de Reed, é de que há muito espaço para crescimento. “Vemos uma baixa penetração em diversos segmentos. A tendência é de que a competição comece a se intensificar. Mas a principal lição, ao meu ver, é de que os usuários de smartphones são diferentes, mas estão ficando cada vez mais parecidos”, explica Reed.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile