Intenção de compra para o 3º trimestre segue em queda

Apenas 37% dos consumidores entrevistados pretendem efetuar a aquisição de bens duráveis pelos próximos três meses. Menor índice para o período desde 2002

Publicado em 10 de agosto de 2016 | 8:58 |Por: Cleide de Paula

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

Mudou o Governo Federal, mas a trajetória do consumo das famílias continua em queda. É que aponta os novos números da “Pesquisa Trimestral de Intenção de Compra no Varejo”, do Instituto Brasileiro de Executivos no varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR) para os meses de julho a setembro de 2016.

intencao-compras-terceiro-trimestre

De acordo com o estudo, o índice de consumidores que pretendem efetuar uma compra de bens duráveis no período é de 37%, o mais baixo para um terceiro trimestre desde o ano de 2002.

De acordo com o diretor vogal do IBEVAR, e um dos coordenadores da pesquisa, Prof. Nuno Fouto, o declínio é percebido em praticamente todas as categorias analisadas. “Também chama a atenção do fato ocorrer tanto em relação ao segundo trimestre deste ano (40,2%), como em comparação a julho a setembro de 2015 (44,4%)”, observa.

intencao-compras-terceiro-trimestre-2
Outro indicador da pesquisa também reforça a previsão dessa tendência. O IBEVAR levantou a distribuição dos gastos das famílias, considerando suas principais despesas: alimentação, habitação, vestuário, transporte, saúde e cuidados pessoais, educação, crediário e sobras de caixa. No trimestre passado, depois de separado o valor consumido, sobrava 6% do orçamento. Agora, sobra pouco menos de 5%.

Leia mais:

Móveis representam 7% da intenção de compra no varejo

Intenção de consumo e orçamento familiar seguem estáveis

Pesquisa SPC Brasil: 35% dos consumidores parcelam compras de baixo valor

Diante desses números o presidente do IBEVAR, Prof. Claudio Felisoni de Angelo, diz que, embora algumas medidas da equipe econômica do governo interino de Michel Temer tenham sido bem acolhidas pelo mercado, a verdade, como era de se esperar, não se registra nenhum resultado positivo para o consumo em curto prazo. “A contração da renda real das famílias, as taxas de juros na ponta muito elevadas, o desemprego e a falta de confiança na manutenção do emprego são, obviamente, os responsáveis por este resultado”, finaliza. (com informações da Assessoria de Imprensa)


Os comentários estão desativados.

eMobile