Confiança dos MPEs aumentou, de acordo com SPC Brasil

Indicador apresentou 52,5 pontos em fevereiro, maior resultado da série história que foi iniciada em maio de 2015

Publicado em 2 de março de 2017 | 17:33 |Por: Paulinne Giffhorn

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

De acordo com o Indicador de Confiança dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços, os brasileiros estão mais confiantes. Calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) o resultado de fevereiro (52,2 pontos) é o maior da série histórica que foi iniciada em maio de 2015.

No entanto, o número demonstra otimismo moderado, já que quando o indicador marca 50 pontos o índice é considerado neutro. Na comparação com fevereiro de 2016, quando marcou 43,0 pontos, o indicador avançou 9,5 pontos. Já na comparação com janeiro de 2017, o aumento foi de 1,5 pontos. Em termos percentuais, a variação anual foi de 22,1% e a mensal de 2,9%.

Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a melhora da confiança coincide com diversas medidas que o governo está colocando em pauta para retomar o crescimento do país. “Notícias positivas como recuo da inflação, aceleração no corte de juros aliadas à liberação de recursos do FGTS podem favorecer os setores de comércio e serviços, uma vez que estes recursos poderão ser destinados ao pagamento de dívidas e ao consumo, aliviando assim a inadimplência e impulsionando as vendas”, explica.

Indicador de Confiança

Otimismo e confiança
O Indicador de Confiança é composto por condições gerais e expectativas e são baseados nas avaliações dos micro e pequenos empresários com relação às condições gerais da economia e do ambiente de negócios, além das expectativas para os próximos seis meses tanto para a economia quanto para as empresas.

Em termos percentuais, 66% dos empresários disseram estar confiantes com seus negócios, contra 11% que não estão. Entre os confiantes, 34% têm o sentimento de que as coisas irão melhorar, mas não sabem ao certo por que estão confiantes. Entre os pessimistas, 55% dizem que a crise econômica pode continuar.

Com relação ao futuro da economia, 57% estão otimistas, contra 16% que afirmam estar pessimistas, em razão de incertezas políticas, problemas econômicos são graves e vendas que ainda estão caindo.

“A confiança dos empresários com os negócios é maior do que a confiança na economia pelo fato de acreditarem ser possível realizar ajustes diante da crise, diferente do que acontece com a economia”, afirma o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro.

Leia mais
Impactos dos saques do FGTS
58 milhões de devedores negativados
Inflação aumenta em janeiro

Aumento no faturamento
Metade dos micro e pequenos empresários de varejo e serviços esperam que o faturamento cresça nos próximos seis meses (51%), enquanto 35% dizem que o faturamento não irá se alterar e 8% alegam que irá cair.

“Apesar de positivos, os dados devem ser vistos com cautela, já que ainda há tensão política e riscos à recuperação econômica. A consolidação da confiança e a retomada do crescimento dependerão, entre outras variáveis, do sucesso das reformas propostas pelo governo”, completa Honório Pinheiro.

Metodologia
O Indicador e suas aberturas mostram que houve melhora quando os pontos estiverem acima do nível neutro de 50 pontos. Quando o indicador vier abaixo de 50, indica que houve percepção de piora por parte dos empresários. A escala do indicador varia de zero a 100. Zero indica a situação limite em que todos os entrevistados consideram que as condições gerais da economia e dos negócios “pioraram muito”; 100 indica a situação limite em que todos os entrevistados consideram que as condições gerais “melhoraram muito”. Confira o Indicador de Confiança MPE na íntegra aqui.

(com informações de assessoria)

Quer saber mais? Curta a página do Portal eMóbile no Facebook e fique por dentro do setor moveleiro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile