Inadimplência em setembro tem a menor alta do ano

Feirões de renegociação de dívidas e recebimento do 13º por aposentados e pensionistas contribuíram para o menor aumento da inadimplência desde janeiro

Publicado em 7 de outubro de 2014 | 14:07 |Por: Marina Gallucci

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

No mês de setembro, os índices de inadimplência mostraram que o número de consumidores brasileiros com dívidas em atraso desacelerou: o indicador, que em agosto subira 5,09% na base anual, agora registra um aumento menos intenso de 3,84% em relação a setembro do ano passado. Este é o menor avanço apurado desde o início de 2014, de acordo com o indicador mensal de inadimplência do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

inadimplência-tabela-set14

O recuo da inadimplência na base anual também teve reflexos na base mensal: o número de consumidores com dívidas em atraso caiu 1,14% entre setembro e agosto deste ano. Esta queda mensal, de acordo os dados do SPC Brasil, representa a retração mais intensa para os meses de setembro desde o início da série histórica.

Leia mais:
Inadimplência de empresas cresce acima de 7%
Compra de móveis é principal causa de inadimplência
Consumidor brasileiro ainda gasta mais do que ganha

Ainda assim, ponderam os economistas das entidades, a alta foi mais forte do que a registrada em setembro de 2013, quando o crescimento foi de 2,89%. Para eles, a queda da inadimplência no mês de setembro provavelmente está relacionada à realização de feirões de renegociação de dívidas, que ocorrem tradicionalmente neste período, e ao pagamento do 13º salário a aposentados e pensionistas, que é feito entre o final de agosto e o início de setembro.

“Esses fatores em conjunto podem ter ajudado os consumidores a regularizarem seus compromissos para chegarem às festas de final de ano livres de compromissos pendentes”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti. Em anos anteriores, o comportamento dos índices de inadimplência também mostrou desaceleração a partir do final do terceiro trimestre. Desta forma, segundo a economista, o padrão indica que existem grandes chances de haver novas desacelerações nos próximos meses.

Reprodução

A quantidade de dívidas em atraso também registrou queda: 1,16% em relação a agosto. Esta é a primeira retração mensal desde dezembro de 2013

A quantidade de dívidas em atraso também registrou queda: 1,16% em relação a agosto. Esta é a primeira retração mensal desde dezembro de 2013

Reprodução

Por setor credor da economia brasileira, a abertura do indicador de inadimplência as dívidas relativas a todos os segmentos apresentaram alta na comparação com setembro de 2013, sendo que as  pendências ligadas aos bancos foram responsáveis pela segunda maior contribuição

Em todos os setores, o indicador de inadimplência apresentou alta na comparação com setembro de 2013, sendo que as pendências ligadas aos bancos foram responsáveis pela segunda maior contribuição


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile