Iemi apresenta estudo sobre canais de varejo

A convite da Movergs, diretor do IEMI fala sobre o crescimento do consumo interno de mobiliário nos últimos cinco anos

Publicado em 10 de dezembro de 2014 | 13:50 |Por: Renata Bossle

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O panorama do consumo no segmento moveleiro nos últimos cinco anos será traduzido em números, quando a Movergs apresenta o estudo Canais do Varejo de Móveis contratado junto ao Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi), em parceria com Sindmóveis, Governo do Estado, Governo Federal e Apex-Brasil. O encontro, aberto aos profissionais da cadeia produtiva de madeira e móveis, ocorre hoje (10) no auditório do CIC em Bento Gonçalves.

Para a apresentação, Marcelo Prado, diretor do Iemi, traz informações detalhadas sobre o perfil, evolução e participação dos principais canais de varejo de móveis no país. O estudo acompanha o crescimento em volumes do consumo interno de mobiliário nos últimos cinco anos e ainda faz uma estimativa do comportamento do varejo.

Leia mais:
RG Móvel Varejo traz especial móveis infantis
GPTW: finalistas entre as melhores do varejo
E-commerce cresce 51% durante Black Friday

Na oportunidade será possível conhecer indicadores que revelam o crescimento médio de 7% registrado, de 2009 a 2013, no consumo interno (aparente) de móveis, chegando à 508,6 milhões de peças no último ano. Em valores nominais, esse aumento corresponde a 67,7% neste mesmo período. “O varejo de móveis vem crescendo de forma expressiva. Ao todo foram comercializados 425 milhões de peças de móveis e colchões no varejo brasileiro, que geraram uma receita de R$ 59,1 bilhões em 2013”, afirma Prado.

Outro tópico que será enfatizado durante o evento será a antecipação dos números que devem ser registrados até o final de 2014 – para este ano, estima-se queda de 2,8% em peças e alta de 1,6% em valores.

Distribuição do consumo

Para que as indústrias possam planejar de modo mais eficiente seu posicionamento no varejo, o estudo mostra como o mercado vem se comportando por região. Os dados do Iemi mostram que a região Sudeste concentra o maior consumo de móveis (46%) e colchões (49%). Já os municípios com 50 mil habitantes ou mais respondem por 78% da demanda potencial e por 69% das lojas especializadas em móveis. A classe média (B2/C) responde por 58% do valor gasto pelos consumidores em móveis e colchões. “Nos últimos anos, a melhor distribuição da renda gerou movimento de ‘up-size’ na população e no consumo, aquecendo o mercado interno”, analisa Prado.

O detalhamento do Iemi sobre canais de varejo de móveis destaca que o Brasil possui 50,9 mil pontos de venda de móveis, dos quais 22,5% encontram-se em São Paulo. Destes, 42,7 mil (83,8%) são lojas especializadas em móveis e colchões, responsáveis por 68% dos volumes escoados destes produtos no varejo nacional. As outras 8,2 mil lojas não especializadas (16,7% dos PDV), são responsáveis por 32% das vendas de móveis e colchões no Brasil. Além disso, o estudo detalha o mix de produtos do setor, preços médios práticos, entre outros indicadores de grande relevância para o planejamento das empresas deste segmento no país.

(com informações da assessoria de imprensa)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile