Gazin aposta em crescimento com inovação

Sistema implantado no ano passado é responsável por melhorar o desempenho de vendas nas filiais do grupo em todo o Brasil

Publicado em 1 de novembro de 2014 | 17:06 |Por: Frances Baras

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

A Gazin, empresa paranaense de Douradina com atuação na produção, atacado e varejo de móveis, pretende fechar o ano de 2014 com crescimento, apesar das projeções de pessimismo na economia. A expectativa deve-se ao novo sistema de vendas desenvolvido e adotado pela companhia: o Tiger.

De acordo com o gerente geral do varejo do Grupo, Júlio Silva, 92% das vendas são feitas por meio do sistema. “O Tiger começou a ser implantado em nossas lojas em fevereiro de 2013, ação que durou nove meses para ser concluída. Hoje, mesmo os vendedores recém-contratados já entram no salão de vendas com o tablet”, constata.

Leia mais:
Empresa premia colaboradores por tempo de casa
Gazin é eleita melhor empresa para se trabalhar
Tecnologia a favor dos varejistas

O investimento para implantação do Tiger nas 206 filiais da Gazin espalhadas pelo Brasil foi superior a R$ 4 milhões. Mais de 2,2 mil vendedores fazem uso da ferramenta. Para Silva, os números compensam: o desempenho dos vendedores teria dobrado ao longo do período de utilização do sistema.

Desenvolvimento

Divulgação Gazin

Gazin

Além do melhor desempenho em vendas, clientes ganham com vendedores bem informados e velocidade no atendimento, segundo a empresa

“O projeto nasceu da observação dos vendedores da Apple, que vendiam via iPhone, durante a visitação de uma feira de varejo nos Estados Unidos em 2009 com o Sr. Mário [Gazin]”, conta o gerente de TI, Ricardo Soares.

Segundo Soares, já era vontade do presidente da holding que os vendedores da Gazin tivessem um aparelho compacto para trabalhar, “algo que os aproximasse dos clientes”. Foram testados smartphones e palm tops até chegar à solução do tablet, sugerida pelo presidente do Grupo Gazin, Osmar Della Valentina.

“A partir daí desenvolvemos um protótipo, o primeiro piloto foi feito em Douradina. Depois disso entrou para o Mato Grosso do Sul. A ideia era criar algo fácil, prático e intuitivo.

Passamos por uma série de desafios, o Tiger só aconteceu porque a diretoria acreditou muito no projeto, subsidiando mais de 2.200 aparelhos, investindo servidores e infraestrutura de rede sem fio”, descreve o gerente.

(com informações da assessoria de imprensa)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile