Empathetic Pricing: como essa tendência se aplica ao setor moveleiro?

Publicado em 17 de março de 2014 | 16:51 |Por: Joana Castro, equipe Conteúdo

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Em 2014, os consumidores latinos não vão mais querer enfrentar sozinhos todos os problemas do dia a dia. Eles estão aproveitando a ajuda de marcas que pratiquem descontos e preços flexíveis que possam aliviar algumas das suas dores de cabeça. Essas afirmações fazem parte de uma pesquisa chamada a Empathetic Pricing, da Trend Watching, empresa que vem acompanhando as tendências de consumo, insights e inovações.

A Empathetic Pricing se trata de uma pesquisa que mostra como muitas marcas estão aplicando descontos criativos orientados aos problemas dos consumidores – são descontos para diminuir as dores do consumidores.

“Pense em problemas que o consumidor enfrenta individualmente – o envelhecimento, o sedentarismo – ou problemas em relação aos temas urbanos – a violência urbana. Muitas marcas estão identificando esses pontos fracos do consumidor, se solidarizando com esses problemas e dando descontos que podem diminuir esses incômodos – por isso marcas empáticas. Que reconhecem a vulnerabilidade dos clientes e agem procurando suavizar esses pontos vulneráveis com descontos”, explica Luciana Stein, coordenadora da criação de conteúdo na América Latina.

Trata-se de uma tendência que pode ser aplicada a qualquer relação de consumo. E para todos os segmentos/industria. Segundo Luciana, o ponto fundamental é: quem tem um cliente precisa estar consciente dos desafios que ele enfrenta. “Os problemas dos seus clientes são também os seus problemas. Esses pontos de vulnerabilidade podem oferecer oportunidades para você mostrar quem você é”, conta.

Em entrevista ao Portal eMobile, a coordenadora aproveita para dar algumas dicas aos fabricantes do setor moveleiro de como eles podem se beneficiar do Empathetic Pricing. Confira:

Portal eMobile – Como a cadeia moveleira pode beneficiar-se do Empathetic Pricing?

Luciana Stein – Um exemplo: marcas da América Latina têm equipes de mídias sociais que criam “memes” em resposta à piadinha do dia, por que não ir um passo além e criar também descontos imediatos e empáticos? Por outro lado, não são só os clientes que têm falhas, que tal mostrar suas próprias dores e até peçam ajuda a seus consumidores? Nas circunstâncias certas, as pessoas respondem positivamente a vulnerabilidade.

PE – Como o fornecedor da indústria pode usar os conceitos com o fabricante de móveis e ele com os lojistas que irão revender os móveis?

Luciana – O fornecedor precisa reconhecer onde estão as dificuldades no dia a dia do fabricante: ele sofre problemas com entregas? Com prazos? Com desperdício de matéria-prima? Hoje existe uma grande quantidade  de conteúdo a online, nas redes sociais a respeito das marcas. As marcas falam mais de si mesmas e é mais fácil saber quais os desafios de cada empresa.

Identifique onde estão as “dores” desse cliente  e tente agir sobre isso usando um desconto empático. Quais as metas desse cliente? Onde ele quer chegar e ainda não conseguiu? A sua marca poderia dar um desconto para ajudar esse parceiro a chegar na sua meta? Quais as causas que esse cliente defende? Por que não abraçar essas mesmas causas fazendo uma promoção interessante e se mostrando alinhado a ele?

PE – Como o varejista pode influenciar o consumidor final?

Luciana – Apenas um lado dessa questão em relação ao varejo tradicional: o varejo se tornou uma plataforma de comunicação da marca com o consumidor. O varejo pode transmitir não somente os valores da marca (seu próprio DNA), mas valores sociais, políticos, ambientais da época em que esse consumidor vive.

Note, as marcas estão se tornando mais políticas e a loja é sua plataforma. Nesse momento em que se tornou muito mais fácil fazer uma compra apenas “clickando”  (usando e-commerce/m-commerce).

Se um consumidor vai ate uma loja ele espera muito em troca – espera mais do que uma transação comercial. Esse varejista influencia o consumidor quando ele se coloca ao lado dele, simpatizando com as causas que o afligem.

Veja alguns exemplos:

1 Empathetic Pricing 2 Empathetic Pricing 3 Empathetic Pricing 4


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile