Consumo das famílias cresce, mas é mais lento

A alta em relação ao ano anterior é a menor desde o primeiro trimestre de 2004, quando o total consumido pelas famílias subiu 0,7%

Publicado em 30 de agosto de 2014 | 9:43 |Por: Renata Bossle

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O consumo das famílias brasileiras cresceu em ritmo mais lento no segundo trimestre deste ano e apresentou alta menor que nos trimestres anteriores, em comparação feita com os mesmos períodos de anos imediatamente anteriores. Os dados fazem parte do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país), divulgado ontem (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que apontam crescimento de 1,2%, o 43º avanço consecutivo.

Nos últimos três trimestres, o consumo havia subido 2,2%, 2,5% e 2,4% na comparação com os mesmos períodos de anos anteriores. Já na comparação com o primeiro trimestre deste ano, o indicador subiu 0,3%, resultado melhor que os -0,2% registrados no início deste ano na comparação com o fim do ano anterior. Os dois últimos trimestres de 2013, no entanto, foram períodos em que o crescimento chegou a 0,8% nessa base de comparação.

Leia mais:
Entrevista: Marcos Pazzini comenta mudanças no consumo
Setor produtor de bens de consumo duráveis assinala expansão

Móvel Show: mercados lideram potencial de consumo

Segundo os dados divulgados, as famílias representam a maior parcela do PIB, com R$ 799,4 bilhões. No conjunto dos bens e serviços produzidos em todo o ano de 2013, o consumo das famílias somou R$ 3,033 trilhões.

“Continuamos com crescimento do poder de compra das famílias, com aumento de emprego e com aumento de salários reais. Por outro lado, o crédito para as famílias já está mais ou menos estável e temos a inflação, que, se for comparada à do mesmo trimestre do ano passado, está um pouco mais alta. Também houve alta na taxa de juros nesse período, e tudo isso afeta negativamente o consumo das famílias”, disse a gerente da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque

A taxa de crescimento acumulada nos últimos quatro trimestres ficou em 2,1%, patamar que vem caindo desde o primeiro trimestre de 2013, quando atingiu 3,3%. No terceiro trimestre de 2010, a taxa anualizada chegou a 7,6%.

(com informações da Agência Brasil)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile