Confiança do comércio segue em queda, segundo Ibre

Resultado capta certa frustração do comércio com a evolução das vendas ao longo do terceiro trimestre

Publicado em 26 de setembro de 2014 | 11:12 |Por: Marina Werneck de Capistrano

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Divulgação FGV/IBRE

Evolução do trimestre comparado ao mesmo período em 2013

Evolução do trimestre comparado ao mesmo período em 2013

Divulgado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas, o Índice de Confiança do Comércio (Icom) manteve a trajetória de declínio observada ao longo de 2014 no trimestre findo em setembro, ao variar -8,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. Na mesma base de comparação, as taxas de variação haviam sido de -6,3%, em julho, e -7,3%, em agosto.

“O resultado da Sondagem do Comércio em setembro capta certa frustração do setor com a evolução das vendas ao longo do terceiro trimestre. O nível de demanda é avaliado de forma muito desfavorável e as expectativas para o final do ano continuam menos otimistas que no mesmo período de 2013”, afirma o superintendente adjunto de ciclos econômicos da FGV/IBRE, Aloisio Campelo Jr.

Leia mais:
Movimento do comércio cai, mas móveis registram alta
Inadimplência de empresas cresce acima de 7%
IDV acredita em crescimento de até 3,1%

A taxa interanual trimestral do Índice de Expectativas (IE-COM) passou de -4,3%, em agosto, para -4,2%, em setembro. No mesmo período e bases de comparação, o Índice da Situação Atual (ISA-COM) passou de uma taxa de -12,1% para -15,9%, respectivamente. Considerando-se comparações interanuais mensais houve piora no IE-COM (de -5,1%, em agosto, para -7,6%, em setembro) e no ISA-COM houve melhora relativa, mas com taxas negativas muito expressivas (-19,4% para -17,9%).

Divulgação FGV/IBRE

ICOM se mantém trajetória de declínio

Icom se mantém trajetória de declínio observada ao longo de 2014, segundo FGV/IBRE

Entre agosto e setembro, o indicador que mede o otimismo em relação à situação dos negócios nos seis meses seguintes apresentou evolução favorável na base de comparação interanual trimestral, ao passar de uma variação interanual de -4,7% para -4,3%. Já a taxa de variação do indicador que mede o otimismo com às vendas nos três meses seguintes passou de -3,9% para -4,0%.

Situação atual e expectativa

IBRE_ICC_3
IBRE_ICC_4

(com informações da FGV/IBRE)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile