Comércio deve vender menos no Dia das Crianças

Previsão nada otimista foi divulgada pela CNDL e SPC Brasil, seguindo a tendência de outras datas comemorativas de 2014

Publicado em 25 de setembro de 2014 | 15:07 |Por: Marina Werneck de Capistrano

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Segundo projeção da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), os comerciantes estão menos confiantes com as vendas para o próximo Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro.

O volume de vendas a prazo deve registrar crescimento de apenas 1,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Se a projeção dos lojistas se confirmar será o resultado mais fraco dos últimos cinco anos para o varejo. Desde 2010, o setor vem desacelerando o seu ritmo de crescimento. Nos anos anteriores, as expansões foram de 3,15% (2013), 4,83% (2012), 5,91% (2011) e de 8,5% (2010).

Leia mais:
Dia das Crianças: Hotsite ajuda pais a escolherem presente
Baby & Kids: a força das crianças na decisão de compra
Móbile Lojista: informação para o varejo multimarcas

Em 2014, todas as datas comemorativas (com exceção da Páscoa), como Dia das Mães, Dia dos Namorados e Dia dos Pais, também apresentaram um desempenho inferior se comparado ao ano passado. As quedas foram de 3,55%, 8,63% e de 5,09%, respectivamente.

Cenário

Com a manutenção dos juros em patamares elevados e a alta da inflação, que corrói o poder de compra do trabalhador, a CNDL estima que as compras a vista e de valores menores devem ganhar mais espaço no Dia das Crianças deste ano. “Os consumidores estão mais preocupados em não comprometer o próprio orçamento com compras parceladas. Aqueles que optarem pelas compras a prazo vão dividi-las em menos prestações”, comenta o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior.

De acordo com Pellizzaro Junior, o varejo já não conta com os mesmos fatores macroeconômicos que ajudaram a aquecer o setor nos anos anteriores, como os altos índices de geração de emprego, expansão da renda, incentivos fiscais e a larga oferta de crédito mais barato. “Se nos anos anteriores a criança ganhou dois ou três brinquedos, neste ano a tendência é de que ganhe menos”, conclui.

(com informações da assessoria de imprensa da CNDL)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile