Ações diferenciadas em redes sociais trazem resultados

Especialista comenta iniciativas que valorizam o engajamento dos usuários em redes sociais e unem estratégias de comunicação, relacionamento e vendas

Publicado em 23 de março de 2014 | 13:55 |Por: Renata Bossle

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Divulgação Marc Jacobs Fragances

Marc Jacobs faz ação com redes sociais

Loja temporária troca engajamento nas redes sociais por brindes

Entrar em uma loja, fazer check-in via Foursquare, enviar uma mensagem pelo Twitter, tirar uma foto para o Instagram e postar um comentário no Facebook. Depois, juntar tudo isso e trocar por um produto. Parece loucura? Transformar engajamento nas redes sociais em moeda de troca foi a ideia de uma ação recente de Marc Jacobs para promover sua fragrância Daisy. Ele abriu uma pop-up store (loja temporária) em Nova York especialmente para a ação.

Segundo Alberto Serrentino, especialista em varejo e consumo, ações que estimulam engajamento representam o ‘pulo do gato’ das redes sociais: “Você tem a comunicação em duas mãos. Quanto mais você criar engajamento, quanto mais as pessoas se comunicarem com as marcas, maior a relevância”.

Leia mais:
Ações em redes sociais: um case do setor moveleiro
LinkedIn também pode ser usado para fechar negócios
Pinterest está sendo adotado por empresas moveleiras

De acordo com ele, as empresas de varejo ainda têm dúvidas de devem lidar com as redes sociais como um canal de comunicação, de relacionamento, de vendas ou tudo isso ao mesmo tempo. “O efeito viral – nem sempre positivo – de algumas campanhas é ainda inexplorado”, aponta.

Serrentino explica que a vocação principal das redes sociais é a comunicação bidirecional. Mais do que simplesmente mandar uma mensagem, elas exigem que as empresas estejam abertas a se comunicar ativamente, algo que muitas marcas não estão acostumadas a fazer.

“Qualquer marca relevante, principalmente de varejo, não pode mais desconsiderar que a sua arquitetura de canais de comunicação, relacionamento e vendas tem que ampliar seus pontos de contato”, afirma e complementa: “As fronteiras entre os negócios físicos e digitais não podem mais ser trabalhadas como se fossem ilhas. Tem que ser pensadas como pontes para que a marca interaja com o consumidor final”.

Arquivo pessoal

Alberto Serrentino

Segundo Alberto Serrentino, as redes sociais devem ser integradas a todos os canais de comunicação da empresa

De acordo com ele, as marcas podem criar campanhas ou iniciativas de curta duração para gerar algum tipo de impulso, através de ações de cunho promocional ou eventos. Outra possibilidade seria criar modelos de negócios que usam isso de forma permanente. Como exemplo, ele cita o Magazine Você, do Magazine Luiza: “É uma iniciativa ambiciosa de transformar uma ação viral em um canal de vendas. Ele já tem mais de 100 mil clientes que abriram lojas pessoais, alavancando as vendas eletrônicas do Magazine Luiza”.

O especialista ainda aponta que cada marca precisa identificar a melhor forma de lidar com as redes sociais. Ele ressalta que “é preciso ter um olhar no cliente”, o que significa entender o que as pessoas fazem em cada uma das redes sociais e o que elas esperam encontrar de conteúdo e de relacionamento.

“A segmentação da linguagem está muito associada ao que o público-alvo da marca faz em cada uma das redes sociais”, afirma e exemplifica: “Se no Facebook as pessoas querem mais socialização, entretenimento e um conteúdo mais interativo, isso leva a uma linguagem mais leve. A relevância daquilo que se faz está muito associada a saber direcionar a mensagem certa na linguagem certa para cada tipo de rede social”.

Abaixo, conheça outras campanhas criativas em redes sociais citadas por Serrentino:

  1. C&A: Campanha Fashion Like
  2. Magazine Luiza: Magazine Você
  3. Tory Burch: estratégia de redes sociais
  4. Kate Spade: fachadas falsas com vitrines digitais


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile