Brasileiros têm parcelado mais para consumir e pagar dívidas

A Pesquisa mensal Perfil Econômico do Consumidor (PEC) da Fecomércio RJ mostra que 44% dos brasileiros tem alguma conta parcelada

Publicado em 23 de fevereiro de 2016 | 14:46 |Por: Pedro Luiz de Almeida

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

O número de consumidores endividados vem crescendo nas pesquisas no comparativo com anos anteriores. De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 2016 começou com alta na taxa de inadimplência em todas as regiões do Brasil. Outro habito que registra aumento é o de parcelamento.

Seja como forma de continuar consumindo ou usando de financiamentos para quitar dívidas, a prática cresceu de acordo com a pesquisa mensal Perfil Econômico do Consumidor (PEC) da Fecomércio RJ, que tem como referência o mês de novembro de 2015. No período, o percentual dos brasileiros pagando algum tipo de financiamento ficou em 44%, crescimento de 6 pontos percentuais em relação ao mesmo mês do ano anterior e o maior nível para um mês de novembro, desde 2011.

Leia mais:
– Gastos com serviços públicos pesam no bolso dos brasileiros
– Pesquisa mostra aumento da inadimplência
– Nova lei da inadimplência prejudica varejistas e consumidores

Shutterstock

perfil econômico do consumidor

Inflação e juros altos são os principais fatores de endividamento do consumidor

Entre os brasileiros com algum tipo de parcelamento, 21% estão pagando dívidas, percentual que representa a maior alta em relação ao mesmo período do ano anterior (9 p.p.). O cartão de crédito continua sendo o principal meio de parcelamento, utilizado por 49%, seguido do carnê,  45% .

Controle dos gastos
O perfil econômico do consumidor, no referente ao orçamento das famílias, mostra um relativo equilibrio. As famílias cujo orçamento cobriu as despesas necessárias, sem sobras, ficou em 53%, contra 49% do mesmo mês do ano anterior. Para 19% das famílias, o orçamento não seria suficiente para cumprir os compromissos e para 28% haveria sobra no orçamento. O destino das sobras também revela a preocupação dos entrevistados com o futuro: 68% pretendem guardar o dinheiro para uma eventualidade ou gasto futuro.

Quer saber mais? Curta a página do Portal eMóbile no Facebook e fique por dentro do setor moveleiro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile