Inadimplência estabiliza e fecha 2017 com brasileiros negativados

Estimativa do SPC Brasil mostra que quase metade da população entre 30 e 39 anos se enquadra neste indicador

Publicado em 12 de janeiro de 2018 | 16:20 |Por: Ricardo Heidegger

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O ano de 2017 encerrou com um volume praticamente estável, e alto, de brasileiros negativados. Segundo dados do indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a estimativa é que o Brasil tenha fechado dezembro com aproximadamente 60,2 milhões de brasileiros com alguma conta em atraso e com o CPF restrito para contratar crédito ou fazer compras parceladas. O número que mostra a inadimplência em 2017, representa 39,6% da população com idade entre 18 e 95 anos.

“Mesmo com a lenta recuperação econômica em curso, as famílias ainda enfrentam dificuldades para honrar seus compromissos em dia. A reversão desse quadro passa pela continuidade da melhora econômica e, em especial, daquilo que toca diretamente o consumidor: emprego e renda”, afirma o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, que ainda comenta que pesquisas elaboradas pela instituição, mostram que de forma decorrente, existe uma carência de controle das finanças pessoais.

Divulgação SPC Brasil/CNDL

Inadimplência em 2017

Em dezembro, houve um aumento de 1,27% na quantidade de inadimplentes na comparação com o mesmo mês do ano passado e de 0,63% na variação mensal, entre novembro e dezembro

Faixa etária da inadimplência em 2017

A estimativa por faixa etária, revela que é entre os 30 e 39 anos que se observa a maior frequência de negativados. Em dezembro, metade da população nesta faixa etária (50%) tinha o nome inscrito em alguma lista de devedores, somando um total de 17,08 milhões.

– Consultores do Senai ensinam como implantar o 5S na marcenaria

Outro destaque na pesquisa que aponta a inadimplência em 2017, é o fato de que uma porcentagem significativa da população com idade entre 40 e 49 anos (48%) estar negativada, da mesma forma que acontece com os consumidores com idade entre 25 a 29 (46%). Entre os mais jovens, com idade de 18 a 24 anos, a proporção cai para 20% – em número absoluto, 4,84 milhões. Na população idosa, considerando-se a faixa etária entre 65 a 84 anos, a proporção é de 30%.

Inadimplência em 2017 é maior no Sudeste

É na região Sudeste em que se concentra a maior quantidade de consumidores com contas em atraso, em termos absolutos,São 24,9 milhões, um número que responde por 38% do total de consumidores que residem no estado. A segunda região com maior número absoluto de devedores é o Nordeste, que conta com 16,7 milhões de negativados, ou 41% da população. Em seguida, aparece o Sul, com 8,2 milhões de inadimplentes, correspondendo a 37% da população adulta.

– Feira mexicana do setor moveleiro inicia na próxima semana

Já em termos proporcionais, destaca-se o Norte, que, com 5,4 milhões de devedores, possui 46% de sua população adulta incluída nas listas de negativados, o maior percentual entre as regiões pesquisadas. O Centro-Oeste, por sua vez, aparece com um total de 5,0 milhões de pessoas incluídas no indicador de inadimplência em 2017, ou 43% da população.

Número de dívidas

Outro número calculado pelo SPC Brasil e pela CNDL, foi o volume de dívidas em nome de pessoas físicas. Neste caso, a variação negativa foi de -2,72% na comparação anual, e de -0,15% na comparação mensal. Os dados de dívidas abertos por setor credor revelam que o único que apresentou alta foi o setor de comunicação, com variação de 6,19%. No comércio foi onde houve o recuo mais acentuado: o número de pendências com o segmento caiu 8,98%, seguido pelos setores de água e luz (-4,32%). O número de dívidas com bancos ficou praticamente estável, com variação de 0,13%.

(com informações de assessoria)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook