Brasil gerou mais de 34 mil novas vagas de emprego em maio

Esse e o segundo mês consecutivo, e o terceiro no ano, em que o País gera mais empregos do que demissões. Entretanto, no segmento do comércio o saldo foi negativo

Publicado em 21 de junho de 2017 | 10:41 |Por: Pedro Luiz de Almeida

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nessa terça-feira (20) pelo Ministério do Trabalho, o País encerrou iniciou junho com um balanço positivo nas contratações, foram 34.253 novas vagas de emprego em maio. Com esse resultado, é o segundo mês consecutivo em que o País registra saldo positivo nas contratações, visto que em abril foram criadas 59.856 vagas com carteira assinada.

iStock

emprego em maio

De todas as regiões, Sul teve o pio desempenho, saldo negativo de 10.595 postos de trabalho

Ao todo, no acumulado deste ano, o Caged calcula que foram criadas 48.543 novas ofertas de trabalho. É o primeiro resultado positivo após dois anos de saldo negativo para o período. De janeiro a maio de 2016 foram fechadas 448.011 vagas e, no período equivalente de 2015, 243.948.

Confira a projeção do Boletim Focus para a inflação e PIB de 2017

Em nota, o ministro do trabalho, Ronaldo Nogueira, comentou que o resultado positivo na geração de vagas de emprego em maio confirma os sinais da retomada gradual da economia, prevista para este ano. “Podemos constatar que a economia volta a dar sinais de recuperação, e um dos sintomas fundamentais para comprovação da recuperação econômica é a geração de emprego”, afirmou Nogueira.

Desempenho dos setores
O setor agropecuário foi o grande responsável pelo saldo positivo. Sozinho, o setor gerou mais de 46 mil postos de trabalho em maio. Na sequência, aparecem os setores de: serviços (1.989 vagas), indústria de transformação (1.433) e administração pública (955).

iStock

emprego em maio

De janeiro a maio, deste ano, o Brasil tem saldo positivo de mais de 48 mil empregos

Na contramão, os setores que mais fecharam postos de trabalhos formais foram: comércio (-11.254 postos), construção civil (-4.021), indústria extrativa mineral (-510 postos de trabalho). “Mesmo aqueles setores que apresentaram saldo negativo, se você faz a comparação com 2016 e 2015, os números [indicando queda] são bem menores”, ponderou Nogueira.

Desempenho das regiões
Quanto as regiões, o Sudeste liderou na geração de emprego em maio, com 38.691 postos de trabalho abertos a mais do que os encerrados. Ainda na região Sudeste destacaram-se Minas Gerais (22.931) e São Paulo (17.226)

Desempenho da geração de emprego no Polo de Bento Gonçalves 

Em segundo lugar, com maior crescimento de vagas entre as regiões, ficou o Centro-Oeste, com 6.809 novos postos formais, seguido do Nordeste, 372 vagas. Entretanto, no Sul e no Norte o desempenho foi negativo. As regiões tiveram, respectivamente, saldo negativo de:10.595 e 1.024 postos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile