Técnicas e ferramentas para aplicar puxadores em cava nos móveis

Puxadores desse tipo de modelo são feitos com fita de borda e se adaptam aos diferentes ambientes por sua aparência clean

Publicado em 23 de outubro de 2018 | 8:00 |Por: Portal eMobile

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Trocar componentes por técnicas práticas pode tornar o mobiliário mais elegante e é uma opção especial para ser apresentada aos clientes. No lugar dos puxadores comuns em portas e gavetas, uma alternativa interessante são os puxadores em cava, que são mais discretos e que podem dispensar a instalação dos metais em alguns casos.

Esse tipo de acessório pode ser incorporado ao mobiliário de duas formas, esculpindo a cava na própria chapa de madeira ou aplicando um perfil de alumínio ou aço inox. Em ambos os modelos o acabamento é feito com fita de borda e tende a se adaptar bem em quase todos os ambientes da casa a um estilo de decoração mais limpo.

Puxadores em cava

Os puxadores em cava é o acabamento preferido da arquiteta e proprietária da TF Interiores, Thatiana Friggi. Ela é adepta de um estilo mais minimalista e com poucos detalhes no mobiliário de seus projetos. Como motivos por essa opção, a profissional explica que, por ser mais discreto, esse tipo de puxador facilita a integração entre os móveis de espaços diferentes da casa, o que é importante considerando a tendência de cômodos multifuncionais e sem demarcações tão claras nos lares modernos.

Outro ponto é a funcionalidade, já que são simples de usar e, diferente de puxadores tradicionais acoplados a portas e gavetas, não se projeta para fora. “Costumo preferir puxadores embutidos porque se eles não são saltados. Há questões de segurança como bater em alguma parte do corpo e isso num ambiente funcional ou pequeno o puxador embutido é mais seguro”, comenta a arquiteta. Além disso, a cava é uma solução descomplicada em termos de design, pois fica embutida no móvel, não há necessidade de investir em um puxador mais elaborado.

Divulgação Marcenaria Lobo

Puxadores em cava

Usar a cava na chapa como puxador propicia um toque elegante e sóbrio ao mobiliário

A versatilidade é mais um fator positivo para a escolha dos puxadores em cava no mobiliário. O proprietário da Marcenaria Lobo, Edson Lobo Souza, diz que usa o acessório com mais frequência em racks e outros móveis para a sala, assim como peças para dormitórios. Thatiana, que trabalha com Edson em seus projetos, enxerga o puxador como democrático, podendo ser aplicado na sala, quarto e, especialmente, na cozinha, se apropriando dos perfis de alumínio em alguns casos.

“Quando é um projeto mais Premium, substituímos o perfil de alumínio por inox por causa do efeito, sendo ideal para ser usado até em banheiros. A integração dos ambientes está em alta, então tendemos a manter a unidade visual e os puxadores seguem essa linha”, assinala.

A arquiteta enfatiza que o uso da cava nos armários e gavetas consegue tirar a “cara de cozinha” do ambiente e transformar o espaço em local para receber, virando uma extensão da sala e seguindo o movimento dos ambientes multifuncionais.

Antes de aplicar os puxadores

Mesmo sendo fácil de incorporar em projetos para diversos espaços, é preciso considerar alguns pontos antes de adotar o puxador em cava em qualquer mobiliário. Em termos de custo final no projeto do móvel ou da decoração, a cava pode ser uma opção mais econômica por dispensar o puxador de metal em alguns casos.

Divulgação Marcenaria Lobo

Puxadores em cava

Cava MDF, da Marcenaria Lobo

“Geralmente são de custo baixo. Se eu usar um puxador externo e aparente, preciso investir em um design diferenciado”, aponta Thatiana. Todavia, ambos acreditam que a escolha é muito mais por estética do profissional e gosto do cliente. “Muitas vezes é mais trabalhoso para o marceneiro, além de haver o custo de duas chapas e mão de obra”, argumenta o marceneiro.

Já sobre a escolha dos dois tipos disponíveis, o efeito da cava na madeira e do perfil cava em metal são parecidos, porém são diferentes em termos de durabilidade. Isso interfere diretamente em onde cada técnica se aplica melhor.

Segundo Souza, as cavas no próprio MDF ou madeira maciça são mais adequadas para móveis da sala e dos dormitórios, ambientes onde não há tanto desgaste do dia a dia quanto na cozinha e no banheiro. Por isso, a arquiteta justifica que defende a utilização de perfil em alumínio ou inox nesse ambiente de uso constante.

Eles também fazem ressalvas quanto às cavas em projetos de banheiros por conta tanto do manuseio constante, mas principalmente da umidade, que pode danificar acabamentos e a madeira. Nesse caso, Lobo recomenda o chamado MDF Ultra, de miolo verde característico, resistente à umidade, cupins e bactérias. A utilização de colas PUR na colagem da fita de borda também garante maior durabilidade à fita de borda aplicada para puxadores em cava.

Executando os puxadores

O proprietário da Marcenaria Lobo, explica a técnica que usa em sua rotina para criar puxadores em cava em seus móveis. Em uma chapa de MDF de 15 mm de espessura e da cor do móvel, ele conta que faz o corte da cava em ângulo de 45 graus.

– Dicas e recomendações de aplicativos para marcenaria

“Para compor a cava depois do corte, pego uma chapa de 6 mm e com 20 mm a mais de altura, para colar as duas chapas usando cola de contato”, explica. Por fim, Souza faz ajustes necessários nos cortes e aplica a fita de borda nos topos para o acabamento da cava. “A espessura final da porta ou frente de gaveta é de 21 mm, encerrando o processo”, diz.

Reportagem originalmente publicada na edição 98 da Móbile Sob Medida


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile