Como escolher máquinas para a marcenaria

Aquisição de equipamentos adequados ao negócio é um passo fundamental para aumentar a produtividade e atender as demandas do mercado

Publicado em 16 de maio de 2018 | 14:00 |Por: Luis Antônio Hangai

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A aquisição de máquinas é uma das formas mais seguras de aumentar a agilidade e a produtividade na marcenaria. Entretanto, devido ao alto investimento necessário para instalar bons equipamentos, as fabricantes sob medida frequentemente precisam estabelecer planos estratégicos para efetuar as compras e escolher acertadamente qual tecnologia é a mais adequada para o seu negócio.

As operações básicas são constantes em praticamente todas as marcenarias: corte das chapas, furação, usinagem, laminação, colação e, às vezes, processos de embalagem, sendo que existem tecnologias específicas para agilizar cada uma dessas etapas fabris. Já o poder de investimento de cada empresa é variável, bem como o volume de clientes que ela precisa atender.

A compra de maquinário deve corresponder, portanto, à necessidade de aumento produtivo da empresa (demanda crescente), caso contrário um novo equipamento pode ser subutilizado e gerar mais despesas com energia elétrica, mão de obra qualificada e manutenção, reduzindo a lucratividade do negócio.

Entenda a importância da automação de processos na marcenaria

Por exemplo, se a marcenaria estiver trabalhando para produzir móveis em larga escala para um hotel ou restaurante, o maquinário será elemento fundamental e economizará grande quantidade de tempo e de trabalho. Por outro lado, se ela atende muitos pedidos sob medida diferentes, uma tecnologia flexível e automática pode a reduzir o setup de preparação e aumentar a produtividade na marcenaria com foco em produção customizada.

Dentro da marcenaria, cada pedido é um pedido, mas as técnicas a serem aplicadas, por mais complexa que seja a peça, precisam ser padronizadas

O consultor industrial com foco no setor moveleiro, Claudio Perin, afirma que cada marcenaria é um caso a parte, e a análise das particularidades irá apontar para qual máquina é mais adequada. Ele também aconselha as empresas a estabelecerem processos inteligentes de produção antes da compra de equipamentos: trabalhar com planos de corte bem definidos, pensar a sequência correta de colação de bordas e padronizar a furação são ações que contribuem para a produtividade na marcenaria e não exigem alta tecnologia.

“Dentro da marcenaria, cada pedido é um pedido, mas as técnicas a serem aplicadas, por mais complexa que seja a peça, precisam ser padronizadas. O que percebo na minha consultoria é que muitas vezes o marceneiro produz menos por conta de seus vícios produtivos, estão acostumados a trabalhar com determinados processos e ferramentas e não acompanham a atualização do mercado porque não participam de feiras ou não entram em contato com vendedores que ofereçam bom suporte técnico”, diz Perin.

Máquinas para aumentar a produtividade na marcenaria

Após a padronização de processos, a instalação de máquinas irá proporcionar um salto qualitativo e quantitativo na produtividade na marcenaria. Segundo Perin, a escolha deve ser feita com base nas demandas da empresa. “Quanto menor volume e mais personalizado for o produto, será preciso máquinas mais flexíveis, com recursos automáticos. Se a produção for em grandes lotes, máquinas mais produtivas são indicadas”, afirma.

Divulgação Marcenaria Fina

Marcenaria PDCA - produtividade na marcenaria

As máquinas na marcenaria precisam corresponder as reais demandas e necessidades de cada negócio

Especificamente em quais máquinas os marceneiros devem ficar de olho? Para responder a essa pergunta, o consultor moveleiro divide as marcenarias em três categorias e aponta, para cada uma delas, um equipamento médio ideal.

Para a primeira categoria, que abrange marcenarias pequenas e com poucos funcionários, a sugestão é por furadeiras com gabarito de furação, uma vez que este processo precisa ser executado com precisão para evitar erros que comprometam a peça como um todo e gerem retrabalho.

Na segunda categoria, das marcenarias intermediárias, Perin sugere um Router para efetuar os trabalhos manuais na madeira. Os modelos CNC (Controle Numérico Computadorizado) aceleram a produção com recursos automatizados e dispensam a necessidade de muitos operadores – geralmente um funcionário capacitado é suficiente para preparara a máquina para uso.

Na terceira categoria, das marcenarias de porte industrial, recomenda-se a aquisição de avançados centros de usinagem e furação, o primeiro devido à alta versatilidade no que se refere a uso de ferramentas e funções, e o segundo por conta da aceleração que promove em uma das etapas mais demoradas e delicadas do processo produtivo na marcenaria.

“Quando pensamos em máquinas, o mais importante é criar e manter um planejamento estratégico. Por exigirem um alto investimento, as marcenarias precisam se disciplinar financeiramente durante meses ou anos para poder efetuar a compra, bem como procurar recursos junto a instituições de fomento como BNDES. Uma dica é ficar de olho em marcenarias que fecham as portas, porque eles irão vender seus equipamentos a preços inferiores em comparação ao mercado”, afirma o consultor.


Os comentários estão desativados.

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook