Como aplicar corretamente a técnica de friso nos móveis

Como aplicar corretamente a técnica de friso nos móveis

Técnica possibilita decoração minimalista, além de proporcionar diferentes efeitos

Publicado em 21 de junho de 2017 | 14:50 |Por: Érica da Costa Diniz

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Aplicar a técnica de friso nos móveis é uma forma do marceneiro criar uma peça com aspecto mais minimalista, além de proporcionar maior sensação de amplitude no espaço. Entretanto, há diversas formas de se conseguir esse efeito, assim como diferentes maneiras de trabalhar o friso nos móveis.

Segunda a professora doutora em Design e Arquitetura, Suzete Nancy Filipak Mengatto o friso suaviza a aparência do móvel e define  suas formas, transmite sensação de limpeza e permite uma decoração sem incluir outros elementos.

“Por causa da sutileza das linhas e a simplicidade do efeito, ele exige uma precisão técnica na produção e na montagem dos móveis”, coloca Suzete.A professora explica que um espaço pode ficar mais leve ou mais carregado em função da quantidade de elementos decorativos, sendo o friso, por exemplo, um substituto para um puxador.

Saiba mais sobre a tendência do uso de LED nos móveis

Para o instrutor da Escola Senai Luiz Scavone, de Itatiba (SP), Ricardo da Silva Saraiva, “os frisos na marcenaria são utilizados por diversos motivos, mas, principalmente para trazer maior sensação de profundidade e ajudar a ‘quebrar’ o aspecto de continuidade, o que torna o ambiente mais agradável e sofisticado”

Divulgação Eucatex

friso nos móveis

Frisos na horizontal são usados para dar efeito de profundidade e ampliação do espaço longitudinal

O marceneiro André Gregorio investe no friso como um diferencial “é a cereja do bolo, valoriza bastante o móvel”. A técnica é utilizada pelo profissional para conquistar os clientes. “Na maioria das vezes a pessoa não pede para fazer um painel frisado, eu faço por minha conta e ela se surpreende, porque achava que seria sem detalhes”.

Como fazer friso em móveis
“O friso é uma linha, tanto em reentrância quanto em saliência, esse efeito pode ser obtido no móvel por meio de usinagem, distanciamento de materiais, aplicação de perfis de alumínio, e também no ambiente, como nas pregas das cortinas e persianas”, elucida Suzete. Para realizar frisos por meio de usinagem, os equipamentos mais usados são Tupias e máquinas CNC.

Divulgação Eucatex

friso em móveis

Combinação de frisos na horizontal e vertical são indicados para espaços amplos e móveis maiores

“As fresas que são as ferramentas próprias, escolhidas conforme a necessidade de forma e profundidade do friso. Após a confecção do friso, o acabamento poderá ser realizado com pintura, lâmina de madeira, verniz ou, ainda, encaixando um perfil de alumínio ou de plástico. O friso feito no móvel tem formato em ‘U’ ou ‘V’, mas a proporção de largura e profundidade irá depender do tamanho do móvel e do ambiente onde ele será inserido. Ele sempre está associado ao tamanho da ferramenta (fresa) que será utilizada e normalmente necessitará de algum tipo de acabamento, pois ele é o resultado de uma usinagem da superfície do painel”, completa Ricardo Saraiva.

Diferença entre frisos
Para o profissional que deseja incluir frisos no seu trabalho, é necessário se atentar aos efeitos que o friso proporcionará. A professora Suzete elencou os três principais tipos de frisos: Vertical, horizontal e combinação vertical–horizontal.

Na vertical, o friso nos móveis da a sensação de pé direito maior, já na horizontal amplia a sensação longitudinal, criando a ideia de um espaço mais ampliado (bom para espaços reduzidos). Na combinação, a professora indica ao marceneiro ter cuidado.

Crédito: Divulgação AR Marcenaria e Design

Frisos na marcenaria - AR Marcenaria e Design - Marcenaria - Friso no painel edt

Frisos na horizontal trazem sensação de amplitude

“O marceneiro precisa de muito espaço, pois essa técnica reduz tanto verticalmente, quanto horizontalmente, o resultado será um efeito mais definido. Em um ambiente pequeno (baixo e pouco largo), por exemplo, é melhor usar uma definição horizontal”, explica a professora.

Para Gregorio seguir a continuidade dos veios é imprescindível para um bom acabamento estético. Caso o friso seja feito no sentido contrário do veio, por exemplo, os frisos estão na horizontal e os veios da madeira na vertical, o efeito será de amplitude do ambiente, principalmente quando tem pé direito baixo.

Diferenciais de ferragens com tecnologia de amortecimento

A sobreposição de peças também é outra maneira de obter frisos em móveis, dispensando o uso de máquinas e usinagem. “Essa técnica é o resultado da sobreposição de painéis com painéis, ou painéis com ripas de madeira. Este tipo abre maiores possibilidades de dimensionamento e combinação de padrões”, observa Saraiva.

Nos 20 anos de profissão, o marceneiro Gregorio, já experimentou diferentes técnicas, e a técnica de sobreposição foi a forma mais fácil que ele encontrou. Normalmente,  ele faz um fundo de 6mm atrás, e réguas de 15mm ou 18mm colada na frente intercalando os espaços.

Os frisos na marcenaria dão um ótimo acabamento, podem ser utilizados como o próprio puxador, trazendo leveza de detalhes para o ambiente. Porém, é necessário se atentar para a limpeza do móvel. Por acumular sujeiras, o friso não é indicado para pessoas que tenham algum tipo de alergia.

Você pode conferir a matéria completa sobre friso nos móveis na edição 100 da Revista Móbile Sob Medida


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile