Definir preço do móvel na marcenaria de forma correta é ideal para saúde financeira

Profissionais do Sebrae comentam sobre custos variáveis e fixos, além de outros fatores que compõe a definição de preços dentro das empresas

Publicado em 3 de dezembro de 2018 | 8:00 |Por: Ricardo Heidegger

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Ao definir preço do móvel na marcenaria deve-se levar em conta uma série de fatores. O primeiro deles é considerar todo os custos envolvidos na fabricação do móvel, classificados como fixos e variáveis. O consultor do Sebrae em São José do Rio Preto (SP), Julio Cesar Lara Ribeiro, explica que custos variáveis são todos aqueles gastos envolvidos na produção propriamente dita. “São mão de obra e matéria-prima, pois variam de acordo com o volume de vendas, ou seja, quanto mais mobiliário é vendido se faz necessário a aquisição de mais insumos, bem como, contratação de mão de obra”.

Divulgação Sebrae

Definir preço do móvel na marcenaria

Consultor do Sebrae em São José do Rio Preto, Julio Cesar Lara Ribeiro

Já os custos fixos, são aqueles que estão relacionados ao funcionamento da empresa independente da fabricação dos produtos.

“Trata-se de aluguel, água, energia, contador, manutenção, material de escritório, funcionários administrativos e outras taxas relacionadas ao imóvel”, exemplifica.

De forma geral, resume o administrador de empresas, consultor financeiro e professor do Instituto Superior de Administração e Economia (Isae/FGV), Pedro Salanek Filho, custos variáveis tem relação com a produção e os custos fixos com a estrutura do negócio.

“Tudo que o empresário comprar como matéria-prima, por exemplo, é considerado custo variável e tudo aquilo que ele tiver que pagar independente daquilo que ele produz é custo fixo”, afirma.

Classificação dos custos da marcenaria

Para a identificação dos custos variáveis se faz necessário montar uma ficha técnica/ordem de serviço de cada produto, no qual constam todos os insumos utilizados na produção de determinado mobiliário (madeira, ferragens, acessórios) nas suas respectivas quantidades. “Desta maneira é possível mensurar o custo real de materiais utilizados na fabricação do produto”, frisa Ribeiro, do Sebrae.

Definir preço do móvel na marcenaria

Consultor financeiro e professor do Isae/FGV, Pedro Salanek Filho

“A este custo, soma o da mão de obra – a qual deverá ser calculada dividindo o salário do funcionário e adicionando os encargos trabalhistas, pela quantidade de horas efetivamente trabalhadas durante o mês. Este valor corresponderá ao salário hora do empregado”, pontua.

Uma vez determinado o custo variável (custo de fabricação), para definir preço do móvel na marcenaria é necessário adicionar uma margem que seja suficiente para cobrir os custos fixos da empresa, bem como as despesas de comercialização (impostos, comissões de vendas, frete de entrega, taxas de cartões), além, é claro, do lucro.

“Para o cálculo da margem deve-se primeiramente identificar, com o auxílio do contador, a alíquota do imposto sobre as vendas, bem como as demais taxas que estão diretamente relacionadas às vendas (despesas variáveis) somando todas estas taxas é encontrado um percentual total que incidirá sobre a venda de cada produto ou serviço.”

“Feito isto, o próximo passo é somar todas as demais despesas operacionais (luz, água, telefone, contador, aluguel, manutenção, etc.) a fim de encontrar quantos % do seu faturamento/vendas está comprometido com tais despesas. Para finalizar, adicionar o % de lucro desejado na venda”, completa Ribeiro.

Controles básicos

Há, no entanto, quem adote a fórmula de multiplicar por três o custo do material ou calcular pela metragem da matéria-prima. Mas, os especialistas são enfáticos em afirmar que estas não são as melhores alternativas, uma vez que não chegam ao preço real do produto na hora de definir preço do móvel na marcenaria.

O consultor e economista da Regional Sul do Sebrae/PR, Gilcindo de Castro Correa Neto, explica que independente de tamanho da marcenaria deve-se ter controles básicos de finanças. O pró-labore, por exemplo, deve ser considerado como custo fixo. “Um erro comum do empreendedor é considerar seu salário como variável. No entanto, ele tem que ter um salário fixo dele como dono e sócio”, explica Neto.

– Práticas sustentáveis melhoram a imagem e os rendimentos das empresas

Além disso, o consultor orienta que ao definir preço do móvel na marcenaria, o profissional precisa fazer uma pesquisa de mercado. “Se ele estiver muito acima do preço médio, sinal que deve olhar para seu negócio e verificar onde cortar custo. Tem que ser competitivo”, frisa. Para buscar mais conhecimento sobre o assunto, Neto cita cursos do Sebrae como Controles Básicos, Controles Gerenciais e Curso de Custos.

Reportagem originalmente publicada na edição 102 da Móbile Sob Medida


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile