Sondagem Industrial apresenta perspectivas do setor

Apesar da queda na produção, índice de satisfação do empresário apresenta sinais de melhora a longo prazo

Publicado em 25 de outubro de 2016 | 19:27 |Por: Pedro Luiz de Almeida

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Em setembro, deste ano, a produção do setor industrial brasileiro voltou a cair, e alcançou 45,8 pontos, enquanto o índice do número de empregados permaneceu nos 46,5. Isso é o que mostra a Sondagem Industrial, divulgada em outubro pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Shutterstock

sondagem industrial

De acordo com a pesquisa, estoques ajustados e sutil melhora da situação financeira indicam possibilidades de recuperação a longo prazo

Os indicadores, da pesquisa, variam de zero a cem. Quando estão abaixo de 50 indicam queda na produção e no emprego. No mês de agosto, a produção alcançou 50,8 pontos. Primeira vez que o indicador ficou acima da linha divisória (50 pontos) desde novembro de 2014.

De acordo com a pesquisa, quase um terço do parque industrial ficou ocioso no mês do estudo. O indicador de nível de utilização da capacidade instalada permaneceu em 66%, mesmo índice registrado em setembro do ano passado, e um dos mais baixos desde janeiro de 2011, quando começou a série histórica mensal.

Contudo, os estoques industrial continuam ajustados, o que leva a acreditar que a produção voltará a crescer assim que a demanda aumentar. O índice de estoque efetivo em relação ao planejado ficou em 49,6 pontos em setembro. O indicador varia de zero a cem e quando está próximo dos 50 pontos mostra que os estoques efetivos estão de acordo com o planejado pelas empresas.

Satisfação 
Outro dado positivo é que diminuiu a insatisfação dos empresários com a situação financeira e a margem de lucro das empresas. O que mostra uma projeção de melhoras no futuro. Mesmo que ainda esteja abaixo dos 50 pontos, que marcam insatisfação, os índices de situação financeira (41,5 pontos) e margem de lucro operacional (36,4 pontos), aumentaram pelo segundo semestre consecutivo. O índice de evolução dos preços de matérias-primas recuou para 59,3 pontos no terceiro trimestre, quarto recuo consecutivo no indicador. Desde o quarto trimestre de 2015, o segmento avaliado apresenta retração de 9,9 pontos.

Leia mais:
Confira mais nova edição da Painel Moveleiro
Expectativas dos fabricantes quanto aos fornecedores 
Desempenho do mercado de móveis em agosto

Expectativas e problemas
A Sondagem Industrial do CNI também procurou levantar os principais empecilhos que os empresários enfrentaram no terceiro trimestre de 2016. Elevada carga tributária lidera a lista com 43,7% das reclamações, seguida pela demanda interna insuficiente (41,8%) e alta taxa de juros em terceiro lugar, com 27,9% de menções.

Shutterstock

Sondagem industrial

A Sondagem Industrial foi feita entre 4 e 14 de outubro com 2.457 empresas. Destas, 1.011 são pequenas, 886 são médias e 560 são de grande porte

Em outubro, as perspectivas dos empresários em relação aos próximos seis meses estão menos otimistas do que em setembro. Redução nos índices de: expectativa de demanda; projeção de aquisição de insumos e matérias-primas; exportações e expectativas de contratação. No mês, os índices ficaram, respectivamente, em: 52,3 pontos; 49,7 pontos; 50,8 pontos e 46 pontos.

Com perspectivas menos otimistas, a disposição dos empresários para investir continua baixa. O índice de intenção de investimento ficou em 43,5 pontos em outubro. Embora esteja 4,2 pontos abaixo da média histórica, o indicador não apresenta queda há seis meses consecutivos e está 2,8 pontos acima dos 40,7 pontos registrados em outubro do ano passado.

Quer saber mais? Curta a página do Portal eMóbile no Facebook e fique por dentro do setor moveleiro.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile