Senai realiza evento para fabricante de colchões

Entre um dos assuntos abordados no ciclo de palestras esteve a Regulamentação de Avaliação da Conformidade para Colchões de Molas

Publicado em 7 de dezembro de 2014 | 13:20 |Por: Thiago Rodrigo Pereira da Silva

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Mauro Frasson

Certificação de colchões de mola

Mais de 20 fabricantes de colchões de todo o Brasil participaram do ciclo de palestras em Curitiba

Na última terça-feira (2) em Curitiba (PR) foi promovido pelo Organismo Certificador de Produtos (OCP) do Senai Paraná o Ciclo de Palestras sobre Avaliação de Conformidade de Colchões e Colchonetes. O evento teve a missão de contribuir para a solidez e desenvolvimento da indústria em que o principal objetivo foi oferecer um programa informativo para Fabricantes de Colchões – tanto de espuma quanto de molas.

Foram realizadas três palestras que contaram com a presença de empresas fabricantes de colchões de espuma e mola, e o apoio do Instituto Nacional de Estudos do Repouso (Iner) e da Associação Brasileira das Industrias de Colchões (Abicol). Em uma delas falou-se de ensaios laboratoriais segundo as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que regem tanto o regulamento para fabricantes de colchões de espuma (que já está em vigor) quanto o – novo – regulamento para fabricantes de colchões de molas.

Sobre a regulamentação aplicável a certificação de fabricantes de colchoes de molas, a coordenadora do Organismo de Certificação de Produto (OCP) do Senai, Cleriane Lopes Denipoti, afirma que a portaria possivelmente será publicada em 2015. “A atuação do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro) no desenvolvimento do programa foi caracterizada por um processo amplo e participativo em que o segmento foi envolvido e o desenvolvimento foi transparente”, diz Cleriane.

Para realizar esse trabalho, o Inmetro instituiu uma Comissão Técnica que assessorou na elaboração do programa. Essa comissão foi constituída por entidades representativas das partes interessadas de forma a proporcionar o equilíbrio de interesses e a imparcialidade, sem predominância de qualquer interesse particular.

Comparando, os regulamentos de espumas e molas se diferem em suas normas de referência, pois existem algumas particularidades que são relacionadas diretamente ao desempenho de cada produto. “Já os requisitos relacionados ao sistema de gestão da qualidade baseado na NBR ISO 9001:2008 são praticamente os mesmos”, comenta a coordenadora da OCP.

Fabrício Pinheiro da Silva, proprietário da Ecoespuma, uma fábrica situada em Portão, na região de Porto Alegre (RS), destacou que o evento foi muito produtivo, principalmente sob a abordagem da manutenção da certificação, já que para isso é preciso haver uma melhoria contínua do produto. “Foi possível esclarecer as dúvidas que tínhamos. Além disso, foi muito rico o contato com outros fabricantes, a troca de conhecimentos e experiências. Apesar de sermos ainda uma empresa pequena, com a certificação temos a oportunidade de estar ao lado de grandes marcas de colchão”, concluiu.

O gerente industrial da Ortolite em Pernambuco, Arnaldo Faro de Gusmão, também participou do ciclo de palestras. Para ele, a iniciativa foi muito interessante. “Principalmente para que possamos continuar alertas em relação ao processo, já que uma tendência natural é o esmorecimento, depois que se consegue a certificação”. Gusmão afirmou ainda que a empresa que gerencia já passou pela segunda auditoria de manutenção.

(com informações da assessoria)

Outras palestras
As palestras realizadas abordaram assuntos como “Interpretando e Tratando não Conformidades”, “Ensaios Laboratoriais em Espumas Flexíveis de Poliuretano Conforme NBR 13579 1 e NBR de Colchões de Molas”, “Aspectos Fundamentais do Processo de Manutenção de Certificação de Produtos” e “Regulamentação de Avaliação da Conformidade para Colchões de Molas”.

De acordo com Cleriane, o evento foi fundamental para que os fabricantes de colchões e colchonetes – certificados ou não – aprimorassem as informações relacionadas aos processos pelos quais suas indústrias passam durante a adequação ao regulamento compulsório de avaliação da conformidade, emitido pelo Inmetro.

Leia mais:
Orientações para moveleiros sobre certificação
Tecnologias em colchões para sensação térmica
Como vender colchões de látex

“É importante que os fabricantes tenham a dimensão de todos os ‘atores’ que atuam no processo de certificação de um produto e a interface existente entre laboratórios subcontratados, organismo certificador de produtos e o Inmetro”, explica a coordenadora do OCP do Senai. Além das palestras, os participantes fizeram uma visita ao Instituto Senai de Tecnologia em Meio Ambiente e Química, para conhecer os laboratórios de Meio Ambiente e Colchões do Senai, na unidade da Cidade Industrial de Curitiba.

O papel do Senai

Em abril do ano passado, o Senai deu o primeiro passo para a condução de processos de certificação de colchões e colchonetes em nível nacional e internacional, com a acreditação do OCP do Paraná, localizado em Maringá, pela Coordenação Geral de Acreditação (CGCRE) do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

De lá para cá, a entidade administra processos de quase 100 empresas em todo o país, com auditores e especialistas qualificados e acordos de subcontratação com laboratórios acreditados pelo Inmetro, que realizam ensaios em conformidade com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile