Congresso Nacional Moveleiro: Senai estimula competitividade do móvel paranaense

Marcelo Prim conduz, em 15 de setembro, palestra sobre a inovação e o ganho da competitividade para o mercado

Publicado em 5 de agosto de 2016 | 14:49 |Por: Cleide de Paula

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

Marcelo Prim, gerente executivo de Tecnologia e Inovação do Senai Nacional, é um dos palestrantes do 7º Congresso Nacional Moveleiro, que acontece em Curitiba (PR) nos dias 14 e 15 de setembro.

Entre os temas abordados em sua apresentação, Prim comenta sobre o projeto de implementação de uma infraestrutura nacional na forma de institutos de tecnologia e de inovação composta por 25 institutos de inovação e 57 institutos de tecnologia.

Foto: José Paulo Lacerda

Prim Senai

Marcelo Prim, gerente-executivo de inovação e tecnologia do Senai

A previsão é que nove desses institutos sejam estabelecidos no Paraná, sendo um Institutos Senai de Inovação, e sete Institutos SENAI de Tecnologia.

Os institutos de inovação encontram-se um na região metropolitana de Curitiba e outro em Londrina. Uma dessas unidades irá dedicar-se à engenharia de estruturas e a outra à eletroquímica.

“Os institutos de inovação são centrados em pesquisa aplicada. São núcleos que vão fazer conexão com a universidade e as empresas, de qualquer porte, para, basicamente, colocar boas ideias em prática. Ou seja, desenvolver novos produtos, novas tecnologias, novos serviços de maneira que a indústria brasileira se torne mais competitiva”, explica.

Já os institutos de tecnologia foram desenvolvidos para dar suporte ao processo produtivo das empresas já existentes, especialmente para impulsionar um ganho em produtividade. Dentre eles, destaca-se o Instituto de Tecnologia em Madeira e Mobiliário, localizado em Arapongas. Um dos métodos escolhidos para isso são as técnicas de manufatura enxuta, lean manufacturing. Segundo o gerente do Senai, a meta é aumentar em 20% a produtividade do trabalho do chão de fábrica da indústria mobiliária.

Os institutos vão auxiliar na melhoria de produto, para adequá-lo ao mercado externo, por exemplo. Nesse aspecto podem ser trabalhados temas como embalagens, testes, certificações, entre outros.

“Há um grande potencial de que por meio da parceria com o Senai, a indústria moveleira se reposicione no mercado. Temos observado que pequenas intervenções rápidas e de baixo custo resultam em ganhos expressivos de produtividade. Um caso é o Programa Brasil Mais Produtivo, que depois de três meses de uma intervenção rápida, de 120 horas, elevou a produtividade em 42%”, assinala.

“O Senai acredita fortemente que a interação do corpo técnico da empresa com métodos, técnicas, orientação de pesquisadores e consultores, seja possível de fato posicionar a empresa em um novo patamar”, afirma Prim.

Mecanismos de financiamento – Os institutos de inovação atuam com projeto de pesquisa, desenvolvimento e inovação. São projetos que podem levar de 6 a 48 meses. Quanto à necessidade de financiamento,Prim comenta que o Senai possui um mecanismo próprio de financiamento que é o edital Senai Sesi de Inovação. O sistema permite financiar projetos com duração de 12 a 24 meses e custo variando entre R$ 150 mil e R$ 400 mil reais. Para aderir, basta o empresário cadastrar a ideia no site www.editaldeinovacao.com.br. É necessário gravar um vídeo-depoimento com duração de até 2 minutos justificando o porquê da proposta inovadora e hospedá-lo em um endereço na internet (como o Youtube ou Vimeo). Depois, é preciso enviar o link do vídeo para a análise do Senai.

Consultorias – Os institutos de tecnologia ligados ao Senai oferecem consultorias que podem durar de 15 dias a 6 meses. Para fazer a solicitação é preciso acessar o portal do Programa Brasil Mais Produtivo www.brasilmaisprodutivo.gov.br.

“O Senai está colocando toda sua infraestrutura, os 82 institutos, à disposição das indústrias nacionais. Acreditamos fortemente que por meio de inovação e serviços tecnológicos, conseguiremos sim reposicionar a indústria, incluindo o setor mobiliário. No momento em que a crise passar, essas empresas estarão em um novo patamar, mais preparadas para se inserir nas cadeias globais de valor”, destaca Marcelo Prim.

Com o tema “Repense a forma e reinvente o mercado”, a edição de 2016 do Congresso Nacional Moveleiro discutirá as oportunidades e as ferramentas para indústria moveleira no atual cenário econômico. O evento começou há 10 anos, como um seminário, e hoje é um dos mais importantes eventos do setor no país. A última edição superou as expectativas, disseminando conhecimento e oportunidades para mais de 2.000 participantes.

 


Os comentários estão desativados.

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook