Sebrae apresenta relatório sobre móveis nos EUA

EUA é país que mais importa móveis no mundo; ainda assim, participação brasileira na conta é de apenas 0,3%

Publicado em 27 de outubro de 2014 | 14:06 |Por: Jorge Mariano

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Sistema de Inteligência Setorial (SIS), ferramenta do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), lançou recentemente um relatório sobre o mercado de móveis de madeira nos Estados Unidos da América (EUA). Os dados apresentados tratam da relação comercial brasileira com o país norte-americano nesse setor.

Leia mais:
RG Móvel Indústria e Marcenaria fala sobre painéis e NR 12
Setor ganha espaço em plataformas de comércio eletrônico
IBÁ apresenta primeiro relatório sobre árvores plantadas

De acordo com o documento, neste ano, o Brasil já exportou cerca de US$ 289 milhões em móveis de madeira. Pouco mais de um quinto desse valor, um total de US$ 56 milhões, apenas para os EUA. Em relação a 2013, as exportações de móveis de madeira apresentaram incremento aproximado de 2%, ao passo que o valor exportado para os Estados Unidos cresceu 13%.

Sebrae

grafico madeira

Gráfico aponta participação brasileira nos EUA

 

Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Paraná são os Estados que mais exportam para os EUA. Quanto ao tipo de produtos, a lista é encabeçada para madeiras para quartos de dormir, com quase 80% do total. A projeção de crescimento do consumo de móveis no EUA é de 1,8% ao ano até 2015, segundo o relatório.

Maior economia importadora de móveis do planeta, os EUA movimentam aproximadamente US$ 140 bilhões anuais com esse tipo de produto. Ainda assim, o móvel brasileiro responde por apenas 0,3% dessa conta. Com quase metade das exportações para lá, a China é quem detém a maior parcela do mercado americano.

Além dos números, o relatório apresenta uma séria de normas técnicas e exigências para móveis de madeira nos EUA. São regras envolvendo proteções alfandegárias, segurança, meio ambiente e comércio. Alguns códigos relativos a essas necessidades também estão presentes no material, que contém um link para o manual do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), contendo tudo que é preciso saber para exportar móveis para os Estados Unidos.

Questões como a recuperação da crise, expansão do mercado e consciência de consumo são fatores que trazem boas perspectivas para a boa atuação nesse mercado estrangeiro. Móveis para cozinha e quartos de dormir devem apresentar crescimento no consumo por lá, oferecendo boa oportunidades de curto a médio prazo.

Acesse relatório completo aqui.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile