Sayerlack estuda revestimentos a base de água

Além de investir em tecnologia, Sayerlack testa seus produtos periodicamente e em ambientações reais, com direito a enfrentamento de intempéries

Publicado em 22 de abril de 2014 | 12:04 |Por: Joana Castro, equipe Conteúdo

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Com o objetivo de testar a performance de seus produtos, a Renner Sayerlack decidiu por um projeto com características extremas, o Odyssey. Segundo a empresa, a iniciativa será capaz de verificar o quanto os revestimentos a base de água podem resistir aos ataques do mar, considerado o ambiente mais adverso de todos.

Divulgação Renner Sayerlack

Amostras estão distribuídas em dois locais: a costa de Veneza e o porto de Gênova, ambos na Itália

Amostras estão distribuídas em dois locais: a costa de Veneza e o porto de Gênova, ambos na Itália

O estudo compreende uma experiência de dois anos com 27 amostras instaladas em plataformas marítimas. Elas são de madeiras de diversos tipos e estão protegidas com acabamento natural e pigmentado. “No mar, avaliamos a performance dos produtos em um ambiente extremamente agressivo para a madeira: com umidade, água salgada e radiação UV”, aponta a empresa.

Leia mais:
Entrevista: Reinaldo Vido comenta nova coleção da Saccaro
Cascola e Concretta firmam parceria para formar profissionais
Estudo revela tendências de consumo para 2014

Ainda de acordo com a Renner Sayerlack, o Odyssey conta com a cooperação do Conselho Nacional de Pesquisas (CNR) da Itália, que acompanha o experimento e ajuda os pesquisadores a registrar diversos tópicos importantes para a análise de mudanças de cor, nível de brilho, aderência, entre outros.

Anteriormente, a empresa já havia realizado testes em verões mais intensos, com o projeto EverSummer. Na sequência, o World Wide atestou a resistência dos acabamentos em cinco locais com temperaturas bem diversas – do quente e seco deserto do Arizona ao frio extremo da Sibéria, passando por Austrália, Singapura e Flórida.

“Avançamos cada vez mais em pesquisa e desenvolvimento para levar as melhores soluções para as indústrias de transformação da madeira”, afirma e acrescenta: “Todos os projetos têm um desdobramento interno que impulsiona o desenvolvimento de novas matérias-primas, a melhoria contínua da linha de produtos e dos processos de pintura e envernização”.

Confira essa reportagem completa na edição 55 da revista RG Móvel Indústria.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile