Abimóvel promove programa de sustentabilidade na indústria moveleira

Projeto visa mapear e aplicar soluções de sustentabilidade na gestão e processos produtivos das empresas

Publicado em 5 de março de 2018 | 14:03 |Por: Luis Antônio Hangai

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A sustentabilidade na indústria moveleira é um dos temas mais importantes e comentados do setor na atualidade. A utilização e reutilização inteligente de matéria-prima, a economia energética e processos produtivos que reduzem a geração de resíduos, entre outras práticas sustentáveis, constituem hoje a pauta de muitas empresas e eventos da cadeia do mobiliário.

Encerrada recentemente, a Feira de Móveis de Minas Gerais (Femur 2018) promoveu seu segundo prêmio de sustentabilidade, reconhecendo produtos que respeitam os critérios de preservação ambiental. Em nível internacional, as últimas edições das destacadas feiras alemãs Interzum e IMM Cologne, ambas realizadas na cidade de Colônia, também tiveram como mote as práticas de sustentabilidade na indústria moveleira.

De olho nessa tendência global, a Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), está iniciando em 2018, no âmbito do Brazilian Furniture, um projeto para identificar soluções e diretrizes que sirvam para orientar as empresas exportadoras de móveis a instituírem processos de gestão e produção mais sustentáveis.

Shutterstock

BCG

Empresas exportadoras de móveis participarão de uma pesquisa para identificar diretrizes e soluções em sustentabilidade na indústria

Sustentabilidade na indústria moveleira voltada para exportações

De acordo com a Abimóvel, o objetivo do programa é detectar possíveis ações e demandas a serem implementadas pela indústria moveleira na melhoria da competitividade do setor no mercado internacional, tendo em vista o contínuo aumento das exportações dos móveis brasileiros.

Em janeiro de 2018 as exportações de móveis apresentaram crescimento de 18,7% em relação ao mesmo período do ano passado, sobretudo para os Estados Unidos, Reino Unido e Chile, que tiveram taxas de crescimento de 30,8%, 28,9% e 11,2%, respectivamente, segundo dados da própria Brazilian Furniture.

O intuito é detectar ações/demandas que podem ser implementadas pela indústria para melhorar a competitividade do setor no mercado internacional

“O programa é pensado essencialmente para as empresas brasileiras do Projeto Brazilian Furniture, com o intuito de impulsionar a gestão sustentável e detectar ações/demandas que podem ser implementadas pela indústria para melhorar a competitividade do setor no mercado internacional. Para isso, contamos com o engajamento de todas as empresas que fazem parte do projeto. Só assim vamos conseguir um estudo preciso sobre a sustentabilidade no mercado moveleiro, e desenvolver um plano de soluções com ferramentas eficientes de fomento do setor”, afirma o presidente da Abimóvel, Daniel Lutz.

Para conduzir o programa foi contratada uma empresa de design thinking, a WHF Design Company, que irá fazer uma sondagem junto às empresas do setor para identificar e posteriormente aplicar as soluções de sustentabilidade. De acordo com a gerente de pesquisa da empresa, Paula Velasco Leal, o projeto será dividido em três etapas: fazer um diagnóstico a partir de entrevistas para revelar o nível de sustentabilidade nas empresas; segmentar as empresas segundo classificações e propor um plano de trabalho para cada empresa e cada classificação; e, ao final, fazer um acompanhamento da aplicação das soluções junto às indústrias

“Nesta primeira etapa, da pesquisa, nós estamos reunindo indicadores do mercado externo. Estamos vendo como os players estrangeiros pensam a sustentabilidade e o que eles esperam dos produtos de móveis de outros países”, diz a gerente.

Durante o primeiro semestre de 2018 as empresas que participam do programa participarão de uma pesquisa cujo intuito é criar uma matriz com indicadores e classificar o nível de sustentabilidade em cada fabricante. Após este diagnóstico inicial, a segunda etapa será elaborar um plano de trabalho com iniciativas de desenvolvimento da gestão sustentável das empresas. O primeiro passo será responder um questionário sobre a emissão de carbono.


Os comentários estão desativados.

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook