Especial: Indústria moveleira de São Paulo

Segundo dados do IPC Maps 2016, São Paulo tem um potencial de consumo de R$ 1 trilhão, com R$ 16,7 bilhões para mobiliários e artigos do lar

Publicado em 2 de janeiro de 2017 | 10:00 |Por: Pedro Luiz de Almeida

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

São Paulo é o estado com maior representatividade na produção de móveis e colchões no Brasil. De acordo com dados do Iemi – Inteligência de Mercado, apesar da crise, alguns números da indústria moveleira da região mantiveram estabilidade no ano passado. Segundo o Instituto, houve um aumento de 2,1% no número de unidades produtoras em relação ao ano anterior, contudo, o aumento não foi suficiente para acompanhar o crescimento nacional.

O presidente do Sindicato das Indústrias de Mobiliário de Mirassol (SIMM), Pedro Bemvindo Rodrigues, diz que a região vive um momento de recessão com pouquíssimos pedidos e grande inadimplência.“Tivemos demissões no final do ano passado e no primeiro trimestre deste ano que chegaram a 700 postos de trabalho. Nessa hora é importante ser criativo para não deixar que as pessoas se desmotivem. Mas, nesse momento, não estamos tendo demissões, estamos estáveis”, completa.

Shutterstock

indústria moveleira

Somente a cidade de São Paulo corresponde a mais de R$ 5 bilhões no potencial de consumo de artigos do lar

Uma oportunidade a médio e longo prazo, que deve ser acompanhada por lojistas e motivar a indústria moveleira,  foi anunciada no final de agosto deste ano. Como medida para estimular o mercado imobiliário, o governo do Estado de São Paulo criou um programa habitacional que, entre outras medidas, destinará subsídios de R$ 300 milhões para a aquisição de 12 mil lotes para famílias de baixa renda.

Para o Sindicato da Indústria do Mobiliário de São Paulo (Sindimov-SP), com atuação na capital e cidades adjacentes, como Osasco e Taboão da Serra, as 2,3 mil empresas filiadas representam cerca de 55% do estado, contudo, compostas principalmente por micro e pequenas empresas, que, além da crise, também sofrem com a popularização de franquias de móveis sob medida.

Pontos positivos
Além de ter o maior potencial de consumo do País, São Paulo se destaca por sua localização central e extensa malha viária o que beneficia as empresas da indústria moveleira de São Paulo. Para o diretor de marketing da Móveis Província, Fernando Costa, a posição geográfica favorece muito a empresa. “Estamos falando em quase 30% do potencial nacional. Nossa proporção é um pouco maior e hoje aproximadamente 40% da nossa produção é destinada ao estado” analisa. De acordo com dados da Secretaria de Logística e Transportes do Estado de São Paulo, este possui mais de 35 mil quilômetros de estradas pavimentadas

Segundo o gerente geral da Móveis Bechara, Sandro Luis Canabarro, a localização mais próxima, inclusive, auxilia nos estoques dos lojistas e comenta que “hoje nosso maior mercado é o Sudeste, focado em São Paulo”. O diretor comercial da Matic Móveis, Maic Caneira, acrescenta que por estarem localizados no estado com o maior potencial de consumo, a cultura local também aproxima a marca de seus clientes e comenta que as empresas da região Sul são os maiores concorrentes. “Em são Paulo nós não temos muito esse protecionismo, bairrismo. É um mercado mais aberto”, comenta.

Divulgação Linoforte

indústria moveleira

O coordenador de marketing da Linoforte, Aruan Rocha, diz que possui extensa carteira de clientes do estado e com isso uma boa parte da  produção da empresa é focada neles

Opinião do varejo
Não apenas os empresários da indústria moveleira paulista, mas os lojistas também celebram as qualidades da produção local. O supervisor geral das Lojas Cem, José Domingos Alves, diz que, mesmo com a alta exigência de qualidade da empresa, possui bons fornecedores paulistas. “Nós temos parceiros há mais de 50 anos no estado de São Paulo, se a aceitação não fosse boa pelos nossos clientes, evidentemente não estaríamos com eles há tanto tempo”, enfatiza.

O gerente de compras da Móveis Casa Verde, Marcelo Longhi, diz que as maiores vantagens de se trabalhar com fabricantes da região é o preço competitivo e o baixíssimo índice de assistência técnica. “Temos preferência por móveis paulistas pela flexibilidade de negociação e o conceito de parceria que abraçam. Dentre os fabricantes de todo o Brasil, são os melhores em prestação de serviços”, completa Longhi.

Apesar de tudo, os fabricantes da indústria moveleira de São Paulo são uníssonos, o grande potencial de consumo e a facilidade logística é o principal diferencial da região, barateando e agilizando a entrega. O diretor superintendente da Castor, Hélio Antonio da Silva, exalta que por ser um mercado de maior potencial, a empresa tem a maior produção destinada para o estado.

A matéria completa pode ser conferida na edição 332 da revista Móbile Lojista

*Reportagem original de Guilherme S Guinski


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile