Especial: Polo Moveleiro de Minas Gerais

Das 2,7 mil empresas, do setor de móveis de Minas Gerais, cerca de 300 estão localizadas no polo moveleiro de Ubá

Publicado em 3 de janeiro de 2017 | 10:00 |Por: Portal eMobile

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Segundo o Relatório Brasil Móveis 2015, produzido pelo Iemi – Inteligência de Mercado, com apoio institucional da Abimóvel, a região aparece em segundo lugar em número de indústrias e lidera em pessoal ocupado, totalizando quase 19 mil pessoas. Abrangendo as cidades de Ubá, São Geraldo, Visconde do Rio Branco, Rodeiro, Tocantins, Piraúba, Guidoval e Rio Pomba, o polo moveleiro de Ubá representa a maior parte da produção de móveis e colchões do estado (45,2%).

Para o presidente do Sindicato Intermunicipal das Indústrias do Mobiliário de Ubá (Intersind), Aureo Calçado Barbosa, os empresários da região sofreram bastante com a crise do País. Aumento nas contas de energia, gastos com folha de pagamento, alavancados pelos impostos sobre salários e combustíveis, agravaram a situação.

Shutterstock

polo moveleiro

Divisão: Polo da Grande BH ( 489 empresas); Polo de Ubá (299 empresas); Polo do Carmo do Cajuru (166 empresas)

Em meio a isso, Barbosa enaltece que, durante os últimos 20 anos, as indústrias de móveis do polo de Ubá sempre investiram em design e qualidade dos produtos e serviços. “Temos hoje um parque industrial tecnologicamente desenvolvido e com enorme capacidade produtiva disponível. A garra e determinação de nossos empresários e colaboradores nos colocam em posições de vanguarda no cenário nacional”, diz.

Além do polo moveleiro de Ubá
Em evidência está o polo moveleiro do Carmo do Cajuru, que abrange 5,8% de toda a produção de Minas Gerais. Envolvendo as cidades de Carmo do Cajuru, Cláudio, Itaguara e Divinópolis, de acordo com a publicação do Iemi, registrou um crescimento de 44,3% no número de unidades produtoras entre 2010 e 2014.

O setor moveleiro tem tanta importância para a cidade de Carmo do Cajuru que representa 32% do PIB do município e grande parte dos empregos formais. Segundo o presidente regional do Sindimov-MG, Rodrigo de Oliveira Rodrigues, o setor moveleiro de Carmo do Cajuru começou em 1945, mas o polo alcançou maior relevância a partir da década de 1990, quando começou a investir em maquinário, tecnologia e gestão.

Shutterstock

polo moveleiro

Com 34 municípios, a região metropolitana de Belo Horizonte representa 18% das unidades produtoras do estado, segundo o Relatório Brasil Móveis 2015.

Estratégia das empresas
Para continuar competitivos e despontar no mercado, a maioria dos entrevistados revelou investir na criação de novos produtos. “Acompanhamos as tendências e captamos as sugestões da nossa equipe de vendas”, comenta o diretor comercial da Tigus Baby, Daniel Lazarini. A Leifer Móveis, por sua vez, aposta em agregar soluções de design para agradar ao varejo e ao consumidor, de acordo com o responsável pela área de marketing da empresa, Guilherme Tibiriçá.

O móvel mineiro

Por tipo
Móveis de madeira – 87,4%
Móveis de metal – 7,6%

Por produto
Móveis para dormitórios – 31,3%
Móveis estofados – 21,6%
Móveis para salas de estar – 11,4%
Móveis para salas de jantar – 10,2%
Colchões – 8%
Móveis para escritório – 8,1%
Móveis para cozinhas – 6,0%

De olho na mobilidade das classes econômicas, fabricantes como a Sallêto, segundo o diretor Gilberto Coelho, buscaram atender à classe C. “Percebemos o crescimento dessa parcela da população e ainda não tínhamos produtos específicos para as suas necessidades”, reconhece.

Já a Móveis Lopas passou a apostar no público infantil. “É uma das ações do planejamento de crescimento da empresa. O objetivo é nos tornarmos referência no segmento”, projeta o diretor-superintendente Carlos Augusto Lopes.

O aumento da concorrência fez também com que a Tigus Baby buscasse representação comercial especializada no nicho infantil para atender melhor o Sudeste do País. A Modecor aponta forte atuação também na região Norte e, empresas como a Lopas e a Cel Móveis afirmam estar com a produção pulverizada pelo País.

A matéria completa está disponível na revista Móbile Lojista, edição 328.

*Reportagem original de Frances Baras e Thiago Rodrigo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile