Opinião: O desafio da atenção

Leia o artigo de Luiz Marins, publicado na edição 261 da revista Móbile Fornecedores, sobre a falta de foco de jovens e adultos

Publicado em 25 de junho de 2014 | 13:04 |Por: Renata Bossle

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Studio Paulo

Luiz Marins

Luiz Marins é antropólogo, professor e consultor de empresas no Brasil e no exterior

Vivemos a era da distração. O excesso de informação disponível, a facilidade de acesso, os smartphones e as redes sociais, tudo nos tira a atenção, nos distrai, leva nosso pensamento para longe daquilo que estamos fazendo e devemos fazer. Não conseguimos ter foco!

Nossa mente vagueia de uma informação para outra, de uma foto para outra, de um vídeo para outro, de uma mensagem instantânea para outra, e aí nos damos conta de que o tempo passou e não fizemos o que deveríamos fazer ou cometemos dezenas de erros pela falta de atenção e concentração em nossa tarefa essencial. Há autores que dizem que durante o nosso trabalho, em mais de 50% do tempo, nossos pensamentos viajam para lugares distantes.

Leia mais:
– Wirutex está atenta ao mercado
– Entrevista: Retomada do crescimento no Brasil
– PIB atinge R$ 1,2 trilhão no primeiro trimestre

Preocupados com esse desafio, empresas e pessoas têm procurado formas de reeducar a nossa atenção. Há empresas como a Google, por exemplo, que oferecem cursos de “mindfulness” (uma forma de exercício de meditação para se concentrar naquilo que está fazendo). Há universidades famosas como Harvard, MIT, Insead, nos Estados Unidos e Europa que já oferecem cursos que ensinam como se concentrar e dar total atenção ao momento presente. Esses cursos mostram desde como controlar a respiração e envolvem até exercícios simples de meditação dos monges orientais e ocidentais como os beneditinos, por exemplo. Mosteiros têm se voltado a educar as pessoas a prestar atenção ao que estejam fazendo, às pessoas com quem estejam conversando, às leituras que estejam fazendo etc. A verdade é uma só: é preciso reaprender a atenção, a concentração, o foco.

Muitos jovens e adultos se tornaram viciados nas redes sociais e passam o tempo todo reportando, postando, twitando o que estão fazendo, mas não se sentem realmente presentes onde estão. São repórteres de sua vida sem vivê-la com intensidade e foco. Conheço pessoas que não conseguem passar mais do que alguns minutos sem checar sua caixa de mensagens, suas páginas nas redes, e vivem em um mundo da mais alta distração. É fundamental reeducar a atenção!

É preciso reeducar a atenção ao outro, à outra pessoa. Estamos correndo o risco de perder a capacidade de conversar presencialmente. Entro em uma lanchonete e vejo vários jovens, todos com seus smartphones na mão “conversando” com pessoas que não estão à sua frente. Vejo almoços de família nos quais todos se voltam para seus celulares e se despedem sem praticamente conversar. Nas empresas, as pessoas estão perdendo a capacidade de se dirigir ao outro e falar. Muitos problemas poderiam ser resolvidos com uma simples troca de opinião verbal, ao vivo, frente a frente, em vez de dezenas de mensagem que entulham caixas postais e geram desinformação.

Confira o artigo completo na edição 261 da revista Móbile Fornecedores.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile