Marcenaria que inova: O Móvel Que Faltava

Empresa trabalha no meio virtual, procurando dar mais autonomia ao cliente

Publicado em 17 de novembro de 2016 | 9:10 |Por: Guilherme Osinski

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Especialistas em projetos e produção em MDF, a O Móvel Que Faltava (OMQF) nasceu para fazer com que seus próprios clientes sejam designers e projetistas de seus móveis, com foco no atendimento por meio da internet. Confira a seguir entrevista com Gustavo Pitarelli, um dos sócios da empresa, que conta um pouco da história da companhia.

Portal eMóbile – Como começou a história da O Móvel Que Faltava?

Gustavo Pitarelli – A empresa nasceu dentro da Móveis Primolar, parentes e amigos nos pediam móveis pontuais que não achavam em lojas ou tinham alguma outra dificuldade e nós fazíamos dentro da produção, até que um dia um parente recebe um móvel nosso e fala “era o móvel que faltava para mim, vai ajudar muito”. Conversando com o Pedro, um amigo que é designer e hoje sócio do OMQF, criamos a ideia de atendimento on-line e rápido, com o nome “O Móvel Que Faltava”.

eMóbile – Como foi a reação do mercado em relação a proposta do negócio?

Pitarelli – A reação foi muito boa o nome acabou sendo muito bem aceito, chama atenção para nosso modelo de negócio, como uma boa solução para uma nova necessidade ou algo que num projeto de marcenaria os clientes não imaginaram e nós complementamos com o móvel que faltava.

eMóbile –  Como está estruturada a empresa ?

Pitarelli – A empresa hoje tem 3 sócios, eu, minha irmã Caroline Pitarelli e o Pedro Bacchi. O Pedro que toca tudo na empresa, orçamento, venda, projetos, produção, entrega, eu e minha irmã ajudamos com a divulgação e vendas, porém hoje ele é o grande responsável pela empresa. Juntamente com quatro funcionários dedicados somente a montagem e instalação de móveis, toda produção ainda é terceirizada pela Móveis Primolar, onde os sócios somos eu e minha irmã.

Divulgação

O Móvel Que Faltava

Ótica montada pela O Móvel Que Faltava

eMóbile – Quais são as principais dúvidas dos clientes que procuram o serviço?

Pitarelli – Medidas. Na maioria das vezes, os próprios clientes fazem um desenho e nos mandam. Existe uma insegurança grande em relação as medidas. E é por isso que, alguém da equipe do OMQF vai sempre conferir in loco.

Leia mais
Novas visões do trabalho
Entrevista com presidente da CSMEM
Indústria de móveis gaúcha tem melhor resultado

eMóbile –  O que os clientes mais pedem nos projetos?

Pitarelli – Não há algo específico. Muitos gostam de saber dos detalhes do projeto, como cores, acabamentos, ferragens e etc. Isso é definido na visita para medição.

eMóbile – Qual é a área de cobertura da O Móvel Que Faltava?

Pitarelli – Atuamos na grande São Paulo, baixada santista e interior próximo de São Paulo. Onde conseguimos atender com as montagens em um dia.

eMóbile –  Quais foram os trabalhos mais desafiadores executados pela O Móvel Que Faltava e porquê?

Pitarelli – Todo projeto é de certa forma desafiador. Em quatro anos de empresa, nunca fizemos um móvel igual ao outro. Cada um tem sua particularidade, seja na cor, no prazo, no local da instalação ou na montagem. Fizemos uma rampa de skate em dois dias para ajudar um amigo em um evento da loja de roupas que ele trabalhava, a rampa foi cenário para o desfile. Em uma noite montamos uma ótica inteira, para a inauguração no dia seguinte.

eMóbile – Quais fatores interferem positivamente na competitividade da O Móvel Que Faltava?

Pitarelli – Por termos um atendimento on-line, eliminamos custos de visitação por conta do modelo de móveis pontuais e a própria pessoa que cria o móvel, aluguel e funcionário de loja física, além de termos como parceira a Primolar, onde partimos também de um custo bacana na compra de matéria prima, pelo grande volume de compra. Assim conseguimos um atendimento rápido e móveis com preço muito interessante, totalmente exclusivos.

eMóbile – Analisando a trajetória da empresa, como a empresa tem reagido diante dos desafios ou obstáculos na condução do negócio?

Pitarelli – Após 2 anos testando e ajustando nosso negócio, ano passado tivemos um crescimento de 400%, este ano sem mexer na estrutura temos meta de aumentar faturamento em 50%, mesmo com a crise e acreditamos que iremos conseguir, agora no final do ano as encomendas aumentam.

eMóbile –  O que pensam para o futuro dos negócios?

Pitarelli – Estamos com modelo de negócio testado, aprovado e com faturamento interessante, agora é hora da expansão. Temos uma grande parceria com uma Marcenaria de alto padrão para atender todo tipo de demanda e iremos investir muito em divulgação já a partir deste mês de novembro, pensando em 2017.
Nosso grande objetivo é vencer a barreira logística, fazendo parceria em outros estados com mais marcenarias e licenciando nossa marca para conseguirmos atender todo Brasil, para isso temos que investir bastante na marca e nos produtos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile