Critérios para escolher a furadeira ideal

Pontos a serem analisados envolvem desde o projeto do móvel até o tipo de peças que serão produzidas, passando por ergonomia e consumo de energia do equipamento

Publicado em 15 de junho de 2014 | 16:57 |Por: Jorge Mariano

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Elton Hubner

A quantidade de peças produzidas por período é um dos quesitos primordiais a serem estudados antes de se adquirir uma furadeira

A quantidade de peças produzidas por período é um dos quesitos primordiais a serem estudados antes de se adquirir uma furadeira

Não bastam matérias-primas de qualidade para produzir bons móveis. A máquina em que esses materiais serão trabalhados também têm influência direta no resultado do produto final. “O que determina a escolha de um equipamento são as necessidades de operação durante os processos de produção do cliente. A análise criteriosa é o ponto chave para a escolha da máquina e de seus acessórios”, explica a gerente de logística da Marjos do Brasil, Paola Beduschi.

Assim, a Móbile Fornecedores 260 trouxe avaliações que subsidiem o moveleiro na opção do modelo de furadeira ideal. No mercado já existem equipamentos que oferecem preparação praticamente zero, inclusive com sistemas de troca automática de brocas e lubrificação.

Leia mais:
– Sanko: Investir em maquinário é estratégia
– Sob Medida traz informações para a qualificação
– Dicas para a escolha da coladeira ideal

No entanto, aspectos como tipo de peças que serão produzidas e verba disponível para compra pesam bastante no momento da compra. Quando o assunto é a disponibilidade de recursos financeiros, vale – por que não? – avaliar a possibilidade de financiar a compra de equipamentos. Um reportagem que você confere na página 36 apresenta dados e informações que podem ser úteis à decisão pela tomada de crédito.

Além do tipo de peças a serem produzidas, há outros fatores importantes que devem ser considerados, de acordo com o supervisor de educação e tecnologia do Centro Tecnológico do Mobiliário (Cetemo), Renato Bernardi. “Deve-se levar em conta o projeto do produto [do móvel], o volume de peças a serem furadas e a complexidade da função (se igual ou diferente do sistema 32)”, diz. O sistema 32 compreende furos com 32 mm de distância tanto na horizontal como na vertical, e com 5 mm de diâmetro.

Confira essa reportagem completa na edição 260 da revista Móbile Fornecedores.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile