Marcenaria que inova: Movelaria Boá e a inspiração naval

Empresa adapta técnicas da marcenaria naval para a movelaria residencial de forma artesanal, criando peças completamente diferentes do que existe disponível no mercado

Publicado em 18 de novembro de 2016 | 9:40 |Por: Phaenna Assumpção

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Movelaria Boá teve início em 2012 quando a empreendedora Lorena Kreuger, que esteve na direção do Estaleiro Kalmar, aproveitou todo o conhecimento das técnicas navais e da experiência no trato de madeira nobre, para criar móveis artesanais em parceria com o com o designer José Serafim Junior.

Os materiais e acabamentos exclusivos juntamente com as técnicas que a Boá utiliza fogem do comum, pois permitem a criação de infinitas possibilidades de formas e padrões, com a experiência da marcenaria naval, aliado ao conhecimento técnico da equipe – o estaleiro e a movelaria funcionam no mesmo espaço em Itajaí, Santa Catarina, e compartilham funcionários e equipamentos.

“Como trabalhamos sempre com lâminas de madeiras naturais no acabamento, agregamos o processo de verniz, o que acaba encarecendo o custo de produção. Embora o maquinário que utilizamos seja relativamente básico, a maioria dos produtos que produzimos são de alto nível de complexidade, e exigem alto nível de conhecimento das técnicas pelos funcionários, seja na marcenaria, na laminação, ou no processo de pintura/verniz” revela José Serafim Junior, Sócio e Diretor de Design da Boá.

Leia mais
Casa Cor RJ: Farben promove workshop de tendências em cores 
Formica® Vivat Collection: cores vibrantes para móveis de design
Celina Dias Bebê negocia parceria com Ralph Lauren 

Os produtos são feitos de forma artesanal, o que possibilita a personalização de madeiras, cores e medidas, e também explora materiais da área náutica, o que imprime sua identidade e um novo estilo em móveis.

Os projetos dos móveis têm design atemporal, com foco na qualidade, durabilidade e funcionalidade. As madeiras são escolhidas de acordo com a resistência à umidade e flexibilidade, selecionadas conforme características estéticas. As madeiras trabalhadas são cedro, freijó, louro vermelho, carvalho e teca, além do compensando naval laminado.

Os processos lentos e trabalhosos permitem que a Movelaria Boá produza peças curvadas em madeira leves e resistentes. “Utilizamos muitos materiais e técnicas advindos da marcenaria tradicional, mas também incorporamos muitas técnicas utilizadas na marcenaria naval, como o cold molded e o strip planking. Alguns produtos, como o próprio banco osso e mesa K2, foram desenvolvidos a partir da adaptação destas técnicas para produzir produtos menores. Este é o nosso principal diferencial” conta Serafim.

O uso do composto wood epoxy aliado ao tecido de fibra de vidro, usado para o reforço estrutural, garante a leveza necessária. Ainda é possível associar materiais diferenciados como a fibra de carbono, tecidos e acabamento em pintura automotiva e/ou verniz, elementos de personalização singular que minimizam a possibilidade de sua reprodução.

Projetos especiais
Com quatro anos de existência, a Movelaria Boá tem em seu portfólio projetos e peças exclusivas fabricadas para alguns dos maiores escritórios de design e arquitetura do país. Um ano após sua abertura, foi vencedora do 27º Prêmio Museu da Casa Brasileira com o banco Osso, dos designers Rafic Farah e Otávio Coelho e a mesa K2, também criada pelos profissionais, recebeu uma menção honrosa na ocasião.

José Serafim conta que as peças foram as mais desafiadoras que a empresa executou devido a grande demanda de trabalho. “Do início do desenvolvimento até o lançamento foram cerca de 10 meses, adaptando técnicas da marcenaria naval para se chegar à versão final dos produtos”.

A marcenaria está trabalhando mais em projetos especiais e o foco agora é estreitar o relacionamento com arquitetos e designers, que os procuram para produzir poucas ou até uma unidade de móvel com alto nível de complexidade, qualidade e acabamento. “Poder mostrar para este público que somos capazes de produzir aquele projeto que em algum momento eles desistiram de levar adiante por acreditar que não seria possível ou não teriam com quem fabricar” conta o designer e sócio da Boá.

Nesses projetos, a movelaria recebe a ideia do cliente, sugere alterações de desenho e materiais quando necessário, por questões técnicas, e o mantém sempre informado sobre o processo produtivo. Os produtos de sua própria linha também permitem este contato com o consumidor final, pois como é feito artesanalmente e por encomenda, sempre existe a possibilidade de adaptação.

É possível criar projetos que sejam distintos do que o consumidor é acostumado a encontrar. “Acho que o principal exemplo que podemos dar é o de que é viável desenvolver um modelo de negócio que fuja dos padrões que encontramos no mercado. Hoje a movelaria Boá é uma marcenaria, mas muito diferente da maioria das marcenarias, atendendo um nicho de mercado bastante específico” finaliza Serafim.

Quer saber mais? Curta a página do Portal eMóbile no Facebook e fique por dentro do setor moveleiro.


Os comentários estão desativados.

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook