Madeira sustentável: qualidade por meio de valores intangíveis

Confira o que o segmento de painéis de madeira no Brasil tem feito para minimizar seus impactos ambientais e agregar valores aos seus produtos

Publicado em 30 de setembro de 2014 | 16:06 |Por: Thaís Laurindo

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Divulgação Duratex

Duratex

Fábrica da Duratex cercada por muita área verde

Baseado em um tripé econômico, social e ambiental, o termo ‘sustentabilidade’ é um dos mais em voga no mundo hoje, especialmente em setores produtivos de impacto direto no meio ambiente. É o caso da indústria de painéis de madeira.

O Brasil ocupa papel de destaque no setor, além de ser um País que está sempre no foco das questões ambientais, o que aumenta ainda mais a responsabilidade das cerca de 530 indústrias produtoras de madeira laminada e chapas compensadas, prensadas e aglomeradas atuantes no mercado nacional. Com investimentos altos em fomento florestal e tecnologias aplicadas no plantio, visando tanto melhoramento genético quanto operações de manejo, além de outras ações, a madeira brasileira é referência de qualidade e sustentabilidade.

Conforme explica o superintendente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci), Paulo Roberto Pupo, no aspecto ambiental, a indústria de base florestal é o setor que mais preserva as florestas nativas no Brasil. “Para cada hectare de floresta plantada, empresas do setor madeireiro preservam 0,89 hectare, além dos 35% da área obrigatória por lei”, completa Pupo. Estas indústrias buscam, ainda, usar madeiras provenientes de florestas com manejo sustentável, muitas das quais internacionalmente certificadas.

Leia mais:
– Seminário sobre sustentabilidade vira livro
– Setor moveleiro precisa repensar a utilização de materiais
– Indústria dialoga sobre o futuro da gestão de resíduos

Primeiro é importante entender, porém, o que são essas certificações. A mais conhecida é a FSC, que avalia e certifica empresas que realizam o bom manejo das florestas por elas exploradas, conforme princípios e critérios estabelecidos, que conciliam salvaguardas ecológicas com os benefícios sociais e a viabilidade econômica. O PEFC é outro órgão que reconhece sistemas de certificação florestal, baseando-se, também, no tripé sustentável. A ISO 14001 é outra forma de saber se sua fornecedora de painéis atua de maneira equilibrada entre a manutenção da rentabilidade e a redução do impacto ambiental, sendo uma norma que define o que deve ser feito para estabelecer um sistema de gestão ambiental efetivo nas indústrias.

Como consequência da maior atenção à preservação do meio ambiente e do amadurecimento do conceito sobre sustentabilidade, o anuário Abraf 2013, que trata de dados estatísticos do setor florestal no Brasil, comprova a evolução constante e acelerada desse segmento. Em 2012, o Brasil já possuía 7,2 milhões de hectares de florestas certificadas pelo FSC e 1,3 milhão de hectares certificados pelo PEFC. Representando 2,1% do total de florestas ambientalmente certificadas no mundo. O que indica um crescimento de 37,1% apenas entre 2011 e 2012. Enquanto o aumento de florestas certificadas em todo o mundo entre 2002 e 2012 foi de 12,9% .

Mas o que as empresas fornecedoras do segmento têm feito para se adequarem às demandas socioambientais e conquistarem essas certificações?

Berneck
Detentora das certificações FSC (manejo florestal), COC (cadeia da custódia) e CW (madeira controlada), a Berneck realiza uma produção ecologicamente responsável de seus painéis e madeiras serradas. Entre as ações destacam-se: manejo de baixo impacto; cultivo mínimo (mínimo preparo do solo para plantios); preservação e manutenção de áreas naturais (há reservas legais e áreas preservadas dentro das próprias fazendas da empresa; plantio consciente; e, muito importante, o uso de madeira reflorestada em 100% de suas atividades fabris. A supervisora de meio ambiente e segurança do trabalho da instituição, Juliana Ferreira Dias, acentua que a produção sustentável-responsável é necessária para permitir a continuidade dos negócios baseados em florestas plantadas.

Duratex
A Duratex dispõe de 260 mil hectares com florestas plantadas e áreas de conservação, entre áreas próprias, arrendadas e fomento. Em 2013, de acordo com o gerente de sustentabilidade da divisão madeira, José Luiz da Silva Maia, a companhia investiu R$ 45 milhões em ações ambientais. A busca é pela redução da emissão de gases e do consumo de energia. Além de trabalhar no acompanhamento do tratamento dos efluentes, o reaproveitamento de materiais e a correta destinação de resíduos. Também investem em diferenciais tecnológicos para economia e reúso de água, geração de energia térmica com 100% de biomassa e redução de resinas.

Eucatex
Além de possuir uma área de 27 mil hectares de florestas certificadas, o Grupo Eucatex está à frente de diversas ações e projetos sociais com foco sustentável, o que impacta tanto sua produção quanto as comunidades que rodeiam suas fábricas e reservas. Segundo Hernon José Ferreira, diretor florestal da empresa, o manejo florestal da Eucatex tem como objetivo garantir a produção sustentável da madeira para fins de abastecimento das unidades fabris, prezando pelo uso racional dos recursos florestais, a conservação dos ecossistemas naturais, respeito e qualidade de vida dos colaboradores e a sustentabilidade do negócio florestal. Também realizam o monitoramento da fauna e da flora associadas às suas florestas de manejo, colheita em sistema mosaico, monitoramento de resíduos híbridos, tratamento de efluentes etc.

Masisa
O papel estratégico da Divisão Florestal da Masisa é o de gestão da formação, manutenção, conservação e utilização de florestas, maximizando o valor desses ativos a partir do conceito de triplo resultado, através de um manejo adequado e observando princípios de sustentabilidade econômica, social e ambiental nas diferentes áreas e países em que a companhia está presente. O manejo florestal da Masisa incorpora práticas sobre temas relacionados ao cuidado com o solo, a água, a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile