Líderes da indústria moveleira analisam fim do ano

Representantes de dois dos maiores polos – Bento Gonçalves e Arapongas – analisam cenário do setor

Publicado em 28 de outubro de 2015 | 8:30 |Por: Wagner de Alcântara Aragão

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

 

Sandra Solda

Henrique Tecchio comenta sobre planos de expansão do Parque de Eventos de Bento Gonçalves

“As empresas estão trabalhando para minimizar as perdas e pela manutenção dos empregos”, pontua Tecchio

A indústria brasileira de móveis acumula, em 2015, queda na produção física, nos mais variados critérios de comparação, segundo a Pesquisa Industrial Mensal, do IBGE. Com o ano caminhando para seu final – o último trimestre segue a todo vapor -, há perspectivas de alguma melhora até dezembro?

O Portal eMobile consultou lideranças dos polos moveleiros para comentar sobre a conjuntura, e traçar um horizonte para estes últimos meses de 2015. Trata-se, normalmente, de um período de maior aquecimento da atividade econômica – o que traz reflexos positivos para a indústria. Para o presidente do Sindmóveis de Bento Gonçalves (RS), Henrique Tecchio, desta a vez a situação deverá ser diferente.

PRODUÇÃO DA INDÚSTRIA MOVELEIRA NACIONAL
Comparação com os mesmos períodos do ano anterior:

1º TRIMESTRE 2015 -6,5%
2º TRIMESTRE 2015 -8,2%
3º TRIMESTRE 2015 -18,7%

Fonte: IBGE/Pesquisa Industrial Mensal

“As incertezas econômicas, o aumento de custos, a alta inflacionária e a restrição ao crédito fizeram com que o volume de vendas de móveis no Brasil acumulasse queda de 13,8% no acumulado do ano, entre janeiro e agosto. É o segundo pior resultado dentre as atividades pesquisadas pelo IBGE. Considerando esse cenário altamente recessivo, as empresas estão trabalhando para minimizar as perdas e pela manutenção dos empregos”, afirma o líder empresarial.

Leia mais:
 – Entrevista exclusiva com Irineu Munhoz  
Polo de Arapiraca alavanca produção moveleira
Abimóvel promove seminário de exportação 

Revista Móbile

Irineu Munhoz, da Caemmun

Irineu Munhoz: “O horizonte de 2016 também será desafiador, mas para as empresas preparadas será um momento de oportunidade”

O presidente do Sindicato das Indústrias de Móveis de Arapongas (Sima), no Paraná, Irineu Munhoz, diz que para reduzir custos de operação e tornar os processos mais eficientes, na região o setor tem adequado a produção à demanda do mercado. “Evidentemente que o aumento nos custos, notadamente o da energia elétrica, dentre outros tantos, aliado à queda do volume de vendas, tem atrapalhado muito na obtenção de resultados positivos. Mas importante é não ficar parado, esperando a crise passar”, declara.

Assim, continua Munhoz, as empresas do setor têm buscado por inovação, “apresentando ao mercado produtos criativos e com ótimo custo benefício, e estão conseguindo bons resultados”. Ele cita ainda eventos como o Black Friday, as campanhas de Natal e os “saldões” na virada do ano como apostas. “O horizonte de 2016 também será desafiador, mas para as empresas preparadas será um momento de oportunidade”, afirma.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile

Acompanhe o emobile nas redes sociais

Linkedin
Facebook