Interzum quer atrair designers e mercados emergentes

Em Curitiba, diretora da Koelnmesse fala sobre os planos para as próximas edições da feira, voltada para ferragens e acessórios moveleiros

Publicado em 12 de novembro de 2014 | 16:03 |Por: Renata Bossle

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Renata Bossle/Revista Móbile

Katharina C. Hamma, diretora da Koelnmesse

“A Interzum é uma feira internacionalizada onde cerca de 60% dos expositores são de empresas de todo o mundo que vem para a Alemanha mostrar suas soluções”, Katharina C. Hamma

Prevista para acontecer de 5 a 8 de maio de 2015, em Colônia (Alemanha), a próxima edição da feira Interzum mostra que o setor moveleiro está voltado para novos mercados, dando atenção especial para as demandas levantadas por designers de interiores.

Segundo a diretora da Koelnmesse, Katharina C. Hamma, os registros para a Interzum estão registrando aumento de 6% em relação ao mesmo período para a edição de 2013. No total, ela espera que a feira receba 1.550 expositores de mais de 60 países e 55 mil visitantes – 15 mil locais. “Em 2013, cerca de 600 visitantes eram do Brasil. Graças a nossas ações de marketing para captação de visitantes, estimamos que haverá um aumento”, afirma.

Leia mais:
Aumenta o número de inscritos para Interzum
Acimall aprova plano de divulgação para 2015
Design brasileiro conquista espaço na Alemanha

Divulgação Koelnmesse

A cidade de Colônia recebe diversas feiras organizadas pela Koelnmesse, como Imm Cologne, Orgatec e Spoga+Gafa

A cidade de Colônia recebe diversas feiras organizadas pela Koelnmesse, como Imm Cologne, Orgatec e Spoga+Gafa

Katharina ainda observa que o País é o principal parceiro comercial da Alemanha na América do Sul. “No ranking dos mercados de exportação mais importantes, o Brasil ocupa o 20º lugar”, relata, aproveitando para reforçar o sentimento de parceria com a indústria: “As boas relações de negócios seguem também no ranking de países dos quais a Alemanha importa mercadorias, onde o Brasil está em 23º lugar”.

Ela analisa que, contudo, a indústria de móveis brasileira importa para os Estados Unidos e diversos países na Europa, mercados saturados de opções e, portanto, altamente sofisticados e muito exigentes tecnicamente. Nesse aspecto, a participação na feira ganha importância.

“Para atingir os mais importantes produtores de móveis por um lado e, por outro, alcançar a visão geral compacta sobre as tendências globais de materiais, não há nenhuma feira melhor que a Interzum”, garante. Posteriormente, ela assegura: “A Alemanha e a Europa são mercados bastante tradicionais e estáveis. A Interzum é a vitrine da inovação e que busca mostrar não só a inovação em produtos, mas principalmente em soluções para a produção”.

Renata Bossle/Revista Móbile

Da esquerda para a direita:  Katharina C. Hamma; o diretor da Alternativa Editorial/Revista Móbile, Carlos Bessa; e a representante da Koelnmesse no Brasil, Brena Bäumle

Da esquerda para a direita: Katharina C. Hamma; o diretor da Alternativa Editorial/Revista Móbile, Carlos Bessa; e a representante da Koelnmesse no Brasil, Brena Bäumle

Participação do Brasil

Tradicionalmente, o Brasil já participa da Interzum. Na última edição, 12 empresas estiveram presentes em 122 m² de estandes – e a expectativa de Katharina é que esse número se mantenha. O país está representado dentro da área têxtil da Interzum, com enfoque no couro.

Entre as empresas já confirmadas estão Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), Fuga Couros, JBS Couros, Indústria de Peles Minuano e Luiz Fuga e Cia., além do Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sindmóveis).

“Para os empresários brasileiros, a participação na Interzum é importante porque observamos uma tendência na Europa pela sustentabilidade e não mais apenas em produtos voltados para o menor preço. E o Brasil, nesse quesito, vem com força total, apresentando um produto natural que agrega design e sustentabilidade no processo. Exatamente o que o mercado Europeu vem buscando”, garante Katharina.

Mudanças e perspectivas

O segmento têxtil, aliás, é uma das apostas da Interzum para o futuro. “Queremos fortalecer a área têxtil. Apresentado em 2013, o espaço Textile Production Line [linha de produção têxtil, em tradução livre] colaborou com isso. Assim, vamos continuar com esse conceito para 2015”, explica.

Em 2013, a feira mudou seu conceito e transformou os sete segmentos de exposição em três. Materials & Nature (em verde, na imagem) engloba o setor madeireiro e inclui decoração de interiores, superfícies decorativas, papéis decorativos, laminados, compostos minerais, entre outros aspectos da indústria. Já Functions & Components (azul) traz produtos semi-acabados, como mobiliário corporativo, iluminação e acessórios. Por fim, Textile & Machinery (em laranja) traz estofados, colchões e materiais.

Divulgação Koelnmesse

Planta baixa da Interzum

Planta da feira mostra organização das três áreas de exposição

“Nós pretendemos ampliar a marca ‘innovation of interior’ para agradar ainda mais aos arquitetos e designers de interiores. Também vamos focar na apresentação de novos materiais e ferramentas, assegurando nosso nome como feira líder”, assegura.


Uma resposta para “Interzum quer atrair designers e mercados emergentes”

  1. Sandra Maciel Barreto disse:

    Trabalhamos com resíduos sólidos da indústria moveleira. Somos pequenos, mas gostaríamos de nos apresentar…
    IMPORTANTE: a configuração deste campo está com falhas, não aparece o que digitamos… Ou seja, é só configuração, MAS para o usuário é o mesmo que não ver o que está escrevendo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile