Setor moveleiro faz indicações para NR 12

Documento enviado pelo setor à CNI pede mudanças para que NR 12 fique mais clara

Publicado em 24 de outubro de 2014 | 9:44 |Por: Jorge Mariano

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Em busca de melhor entendimento, aplicação e atualização das regras previstas na Norma Regulamentadora 12 (NR 12), o setor moveleiro enviou um documento à Confederação Nacional das Indústrias (CNI) solicitando algumas revisões pontuais no texto da norma. Em reportagens nas últimas edições de Móbile Fornecedores e RG Móvel Indústria & Marcenaria, o temo foi abordado e foram expostas posições do setor em relação aos novos rumos da indústria ditados pela necessidade de adaptação às novas regras.

Leia mais:

NR 12 foi tema de palestra no Congresso Moveleiro
Brasil precisa melhorar competitividade
– 
Daniel Lutz fala sobre a norma

Confira abaixo, na íntegra, o texto que foi encaminhado à CNI.

“São Bento do Sul, 29 de agosto de 2.014.

Excelentíssimo Senhor
Daniel Lutz
D.D. Presidente da Associação Brasileira da Indústria do Mobiliário – ABIMÓVEL

Assunto: 7ª Reunião do Grupo de Trabalho Empresarial da NR 12 – Agradecimento e Sugestões

Estimado Presidente,

O Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul – SINDUSMOBIL, vem formalizar pela presente o seu agradecimento ao empresário Daniel Lutz, presidente da Associação Brasileira da Industria do Mobiliário – ABIMOVEL, pela oportunidade proporcionada aos senhores José Antonio Franzoni, presidente do Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul – SINDUSMOBIL, e Henrique S. Higa, Engenheiro Eletricista e Engenheiro de Segurança do Trabalho, de participar da 7° Reunião do Grupo de Trabalho Empresarial da NR 12 realizada pela Confederação Nacional da Indústria- CNI, em Brasília dia 27.08.2014.
Gostaríamos de registrar um resumo das nossas sugestões/reivindicações que julgamos de suma importância para setor moveleiro e que consideramos que merecem especial análise da Confederação Nacional da Indústria – CNI:

I – No item 12.5.13, proposto pelo MTE, acrescentar especificamente para o setor moveleiro poderá ser aceito sistema de proteção, conforme previsto no Anexo I, item A, Quadro III, Limitação do Movimento: braço apoiado até o punho, ainda especificamente para o setor moveleiro possibilitar a utilização de gabaritos, modelos e ferramentas de auxilio de forma a proteger as mãos do operador contra a ferramenta da máquina/equipamento ou a utilização de proteções ajustáveis e procedimentáveis.

II – No Item 12.5.2 letra d, proposto pelo MTE, alterar para: os dispositivos de segurança devem estar fixados de forma removível somente através de ferramenta, de modo a dificultar a burla do operador.

III – No item 12.5.7, proposto pelo MTE, alterar para: a proteção será caracterizada como móvel quando possibilitar sua remoção sem a utilização de ferramenta, permitindo o acesso à zona de perigo.

IV – No Item 12.11.1, incluir letra “i”: os riscos adicionais poderão ser contemplados com outros documentos de segurança existentes na empresa tais como: PPRA, LTCAT, FISPQ entre outros.

V – 12.12.3.1, acrescentar letra g: Desde que procedimentado, poderá ser acessado o interior das carenagens das máquinas/equipamentos em operação, desde que não haja contato direto com as partes moveis.

VI – Item 12.13.8.1, alterar para: as máquinas e equipamentos devem possuir identificação em local visível, de modo a permitir sua rastreabilidade de informações de manutenção e segurança.

VII –Item 12.14.1.2, alterar para: os manuais das máquinas fabricadas antes da publicação da NR 12 poderão ser substituídos por procedimentos de segurança, plano de manutenção preventiva e capacidade operacional.

VIII – Item 12.16.2, incluir letra “a”: a responsabilidade do não cumprimento deste item recaia sobre o fabricante e/ou distribuidor da máquina, que arcara com os ônus da adequação que se fizerem necessárias.

IX – Item 12.19.1, inclui letra “a”: o inventário poderá ser substituído por cadastros já existentes na empresa, tais como: cadastro contábil dos bens do ativo permanente da empresa, manual de procedimento de segurança em máquinas/equipamentos, manuais das máquinas/equipamentos, cadastro do sistema de planejamento e controle de manutenção, layout da planta fabril e outros cadastros de máquinas/equipamentos.

Com o objetivo de nortear e dar efetividade para a implementação da NR 12, incluir no texto da Portaria de atualização da norma, incluir as seguintes etapas:

I – Treinamento geral para conscientização de segurança em máquinas

II –Sinalização das zonas de perigo em todas as máquinas e equipamentos

III – Implementação de proteções na zona de risco principal das máquinas/equipamentos

IV – Implementação de proteções nas demais áreas de risco das máquinas e equipamentos

V – Adequação de botão de emergência, liga/desliga e chave geral

VI – Adequação do sistema de monitoramento de segurança

VII – Adequação do sistema de redundância de segurança

VIII – Elaboração de laudo técnico, atestando a eficiência do sistema de segurança implementado e treinamento especifico do maquinário para todos os operadores.

Sugerimos também a realização de uma reunião técnica entre ABIMÓVEL e CNI, para melhor fundamentarmos os pontos acima. Nesta reunião seria muito oportuno a participação dos presidentes dos sindicatos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Minas Gerais.
Feitas nossas considerações, certos de Vossa sensível acolhida e providências, são renovados protestos de elevada estima e distinta consideração, oportunidade que subscreve

Atenciosamente,

JOSÉ ANTONIO FRANZONI.”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile