IBGE: Produção da indústria recua 0,6% em maio

Na comparação com abril, 15 dos 24 ramos investigados pelo IBGE tiveram queda na produção

Publicado em 2 de julho de 2014 | 14:30 |Por: Marina Werneck de Capistrano

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em maio de 2014, a produção industrial recuou 0,6% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, terceira taxa negativa seguida nesse tipo de confronto, acumulando nesse período perda de 1,6%.

Na série sem ajuste sazonal, na comparação com igual mês do ano anterior, a indústria apontou redução de 3,2% em maio de 2014, terceiro resultado negativo consecutivo nesse tipo de índice. Assim, o setor industrial acumulou queda de 1,6% nos cinco primeiros meses do ano, revertendo, portanto, a expansão de 0,5% registrada no primeiro trimestre de 2014. A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos 12 meses, com acréscimo de 0,2% em maio de 2014, mostrou clara redução no ritmo de crescimento frente aos resultados verificados em março (2,0%) e abril (0,7%).

Divulgação IBGE

Produção industrial recua -0,6% em maio

Produção industrial recua -0,6% em maio

Na comparação com abril, 15 dos 24 ramos investigados tiveram queda na produção, dentre eles o de móveis (-4,4%).

Entre as grandes categorias econômicas, ainda na comparação com o mês imediatamente anterior, bens de consumo duráveis, ao recuar 3,6%, assinalou a queda mais acentuada em maio de 2014 e a terceira taxa negativa consecutiva nesse tipo de confronto, acumulando nesse período perda de 9,5%. O segmento de bens de capital (-2,6%), que também mostrou recuo mais intenso que o total da indústria (-0,6%), apontou o terceiro mês seguido de queda, com perda acumulada de 7,5% nesse período.

Leia mais:
Indústria cresce 0,4% de janeiro para fevereiro
FIQ 2016 será realizada de 26 a 29 de abril
RG Indústria: especiais sobre fitas de bordas e laminados

Na série com ajuste sazonal, a evolução do índice de média móvel trimestral recuou 0,5% no trimestre encerrado em maio frente ao nível do mês anterior e intensificou a queda registrada em abril último (-0,3%). Entre as grandes categorias econômicas, bens de consumo duráveis (-3,3%) e bens de capital (-2,6%) assinalaram as quedas mais intensas nesse mês, acentuando os recuos observados no mês anterior: -0,4% e -0,7%, respectivamente.

Indústria recua 3,2%

Na comparação maio de 2013, a queda de 3,2% mostra predomínio de resultados negativos, já que três das quatro grandes categorias econômicas e 18 dos 26 ramos apontaram recuo na produção. Entre as atividades, máquinas e equipamentos (-3,1%).

Ainda no confronto com igual mês do ano anterior, bens de consumo duráveis (-11,2%) e bens de capital (-9,7%) assinalaram os recuos mais acentuados entre as grandes categorias econômicas.

O setor produtor de bens de consumo duráveis recuou 11,2% no índice mensal de maio de 2014 e apontou o terceiro resultado negativo consecutivo nesse tipo de comparação. Houve impactos negativos relevantes em móveis (-9,1%), outros eletrodomésticos (-8,1%). As principais influências positivas foram em eletrodomésticos da linha marrom (9,8%), impulsionados pela maior produção de televisores e de aparelhos de DVDs, e em eletrodomésticos da linha branca (6,8%), por conta dos avanços em fogões de cozinha, refrigeradores ou congeladores para uso doméstico e fornos de micro-ondas.

No índice acumulado entre janeiro e maio de 2014, a indústria caiu 1,6%, com três das quatro grandes categorias econômicas e 17 dos 26 ramos investigados com recuo na produção, dentre eles máquinas e equipamentos (-2,7%).

O relatório completo você confere no site do IBGE.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

eMobile