Paineleiras apontam para futuro promissor no setor moveleiro do Nordeste

Empresas como Duratex, Arauco e Guararapes aumentaram investimentos em logística e produção de olho no setor moveleiro do nordeste

Publicado em 9 de maio de 2018 | 16:25 |Por: Luis Antônio Hangai

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Fabricantes de painéis de madeira nos últimos anos aumentaram investimentos para melhor abastecer o setor moveleiro do Nordeste do Brasil. Pernambuco, por exemplo, desde 2011 passou a acomodar Centros de Distribuição (CD) de grandes marcas como Duratex, Arauco e Guararapes. O esforço para agilizar e reduzir custos com entrega de materiais fundamentais à indústria de móveis dá indícios de expansão na cadeia produtiva local.

A última notícia que reforça o potencial moveleiro na região Nordeste é do anúncio de que a Duratex irá investir cerca de R$ 1,1 bilhão para instalar uma unidade industrial de painéis de madeira em Alagoas. O estado foi escolhido graças à localização estratégica e incentivos fiscais concedidos pelo governo alagoano.

Consumo de painéis de madeira cresce no primeiro trimestre de 2018

O governador Renan Filho afirmou, à época do anúncio dos incentivos à gigante paineleira, que o “investimento irá estruturar a cadeia produtiva do móvel em Alagoas e com isso, teremos muitas possibilidades de, produzindo as chapas de MDF e MDP, atrair uma série de outras indústrias que utilizarão as chapas produzidas na fabricação de móveis, absorvendo mão de obra e ajudando Alagoas a se desenvolver economicamente”.

CDs agilizam fornecimento ao setor moveleiro do Nordeste

A Arauco, que desde 2015 conta um CD na cidade de Cabo de Santo Agostinho (PE), identifica oportunidades promissoras para o setor moveleiro do Nordeste. De acordo com o gerente de marketing da empresa, João Casemiro, o consumo de móveis na região, especialmente de planejados, ainda depende em grande medida da produção de indústrias localizadas no Sul e Sudeste, ou de marcenarias, mas já há players locais expressivos nas indústrias de móveis seriados e possivelmente nas de maior valor agregado.

setor moveleiro do nordeste

Centro de Distribuição da Arauco, com capacidade para armazenar até 8 mil metros quadrados de painéis de madeira

“No Nordeste há consumo potencial não atendido, que será convertido em negócios com o crescimento econômico esperado para a região nos próximos anos. Há também peculiaridades nos gostos que são fonte de inspiração para a Arauco e antecipam tendências que se tornarão mainstream no Brasil, o que nos leva a crer na crescente influência nacional de designers e arquitetos locais. O centro de distribuição reduz o entrave logístico ao consumo regional, dado que seu abastecimento via cabotagem barateia fretes e o estoque local agiliza o suprimento da demanda, fomentando negócios”, avalia Casemiro.

No Nordeste há consumo potencial não atendido, que será convertido em negócios com o crescimento econômico esperado para a região nos próximos anos

Por sua vez, a Guararapes, que exporta painéis compensados para mais de 50 países, informa que as operações na região Nordeste correspondem a 5% do faturamento em MDF, mas que a meta é chegar a 10%. Com um CD instalado próximo ao Porto de Suape, na cidade pernambucana de Ipojuca, o objetivo da empresa é agilizar o fornecimento de painéis e reduzir em 80% o tempo de entrega ao cliente final.

De acordo com o gerente de marketing da Guararapes, Humberto Oliveira, o potencial do mercado no Nordeste é muito expressivo, seja em produtos de valor agregado ou mesmo nas comodities. “Em função de fatores como déficit habitacional, baixa participação de produtos com valor agregado, a Guararapes avaliar como significativo o potencial para esse mercado no médio e longo prazo”, diz o gerente.


Os comentários estão desativados.

eMobile